Susto e arroz, 235

Susto e arroz

Bom ou não, para que serve um susto

Se não ajuda também não atrapalha

Mas onde e como o susto pode ser justo

Onde menos esperamos e onde se trabalha

 

Do nada aparece uma situação

Preparado estava e tudo havia estudado

O evento no entanto vem como demonstração

Sempre existe um efeito inesperado

 

Como num experimento os ingredientes colocamos

A esperar o sucesso mesmo contando com o fracasso

Eis que o susto invade o laboratório em que estamos

O mestre nos fita percebendo a desdita, ajustando o traço

 

O sentido do susto é benéfico quase sempre

Só não ajuda quando vem pelas costas

Quando assim acontece poder ter paciência, estofo no ventre

O infortúnio chegou, peça ajuda a Deus, não é uma aposta

 

Na luta diária certo susto sim assusta

Oração é remédio sempre antes, durante e depois

Certeza ajuda vem do alto, do lado, de onde se busca

Deus não esquecerá de ti, mas esteja a ele ligado como o hábito de comer arroz.

Todo santo dia.

Quinto Zili

Silêncio, 252

 

Silêncio

Quietude é aliança

Paz na boa conversa

Fonte de temperança

Da turbulência, adversa

 

O silêncio facilita

O mergulho interior

Tranquilidade possibilita

Te encontrar com o superior

 

Mas silêncio só externo

Não resolve tudo não

Precisa aquietar o pensamento

Relaxar a interna tensão

 

O motivo vem de dentro

São coisas de vidas lá de trás

É remoque de outro tempo

Faz barulho, se mantém vivaz

 

Deixa a porta sempre aberta

Para tudo melhor fluir

Porém mantém o aviso de alerta

Pensar no bem para o mal se evadir

Quinto Zili

Liberdade, 393

Liberdade

Apurada a visão

Noção melhorada

Percepção elevada

Eis a questão

 

Do fundo da alma

Ao fulcro da mente no pensar ativo

Quer seja tua consciência

Quer seja do inconsciente coletivo

 

Almejada liberdade

Tolerada preguiça

A vida cortejada

Indevida cobiça

 

Fugir da obrigação

Correr da maior verdade

Tudo é tentação

Ilusão do querer liberdade

 

Nem morrer te libertará

Ao renascer falsa prisão terá

Condição de escolha sempre nos foi dada

Não há cárcere, grilhão, nem nada

 

Punir-se por tudo, a questão em si

O que deves é o mal que fizeste a ti e outros sem exceção

E o bem que deixaste de fazer aos outros e a ti

Liberdade é estado de espírito do ser em evolução

Quinto Zili

Começo, 173

Começo

Iniciar e quebrar toda a inércia

Ponte a ser construída

Pensando em sair do fim que começa

E tudo espantar que te impeça a saída

 

Em termos de vida quem para se atravessa

Se for só intervalo cuidar que não dure

Recomeça o trabalho que te enobreça

O tempo não para, melhor te apure

 

O duro começo em tudo é difícil

Mas busca coragem, desejo e vontade

Não se atrapalhe, começa o centil

O primeiro passo é quase a metade

 

Ouvir o chamado é de bom alvitre

Não pense que algum dia esteve sozinho

Há sempre um amigo, não recalcitre

No enlevo de ser pioneiro mesquinho

 

Para o início se dar, se coloque humilde

És engrenagem do todo e não pode falhar

Postura de destaque só terás se te lide

Ao trabalho se entregar, se forjar para amar

 

Começar é amar, trabalhar com Jesus

O chamado é Dele que te conduz

Quinto Zili

Problemas, 275

Problemas

Dependemos deles

Nos afastamos

Evoluímos com eles

Os detestamos

 

Paradoxos

Não os entendemos

Sempre tem os próximos

Às vezes os escondemos

 

E os bons problemas

Melhor seriam

Maldizemos os temas

Quem os queriam

 

Ficam para traz

Os esquecemos

Há um pertinaz

Que desenvolvemos

 

Esse pior, o mais difícil

O da morte

Teu reinício

Boa sorte!

Quinto Zili

Dúvidas, 258

 

Dúvidas

Porque as temos tantas

Essas companheiras da incerteza

A vida traz não só quantas

Perguntas de toda natureza

 

Longe de ser ruim ter dúvidas

A minha, a sua, as nossas todas

Todas justas em nossas vidas

Mais do que justas, por nós mesmos havidas

 

A dúvida maior; da existência

Levamos ao túmulo sem entender

Desde o nascer na nossa vivência

Buscamos o sentido na vida se crer

 

E a dúvida pior, aquela mais ingrata

A falta de fé, demorada a entender

O que é acreditar mesmo sem ter visão exata

Crer em Deus Pai, real em nosso ser

Quinto Zili

Transporte, 255

Transporte

Te levar bem longe

Ou só daqui até ali perto

Pode ser de velho bonde

Ou bólido caro decerto

 

Rico ou pobre necessita

Sem transporte não se fica

Uso público ou particular

Coletivo ou individual usar

 

Esses meios que conhecemos

Pela terra ou pelo ar

São os que concebemos

Por enquanto a nos levar

 

Mas haverá um tempo chegar

Como se diz em ficção

Daqui pra li me transportar

Sem veículo algum me levar

 

Do passado até hoje enfim

Nunca se viu mas já se falou

Teletransporte será possível sim

A tecnologia que vemos só começou

Quinto Zili

Padroeira, 312

Padroeira

Maria Mãe querida!

Anjo maior desta vida

Geraste o príncipe do amor

Criaste o rei deste planeta

 

Não houve fogos nem trombetas

Mas sim o anúncio pelas estrelas

Deus assim pôs em prática

Plano maior a salvar todas ovelhas

 

Vosso filho Cristo, Padroeira

Que comanda esta Terra prometida

Só quem vos chama de mãe verdadeira

Tem amor tão grande, sem medida

 

Somos vossos filhos ausentes de paz

Todos carentes a vos chamar

Clamando pela vossa ação tenaz

Que todo mal desfaz ao vosso simples olhar

Quinto Zili

Amigos II, 140

Amigos II

Quantos amigos podemos ter

O universo pode estar cheio deles

Quantos inimigos podemos haver

No universo criamos todos eles

 

O tom numa conversa qualquer

O olhar lançado mais duro

O pensamento criado alter

A ver inimigo no escuro

 

Faísca do mal, bem fácil aparece

Vem do nada , surge espontânea

Tememos por ela, fugimos com prece

Sem quase domínio, espalhando cizânia

 

Faísca do bem, gerada no amor

Condição de quem fala pelo coração

Tememos não tê-la; dificuldade interior

Domínio do bem quando entra em ação

 

Entre o bem e o mal que podemos gerar

Deus nos deu o arbítrio para a evolução

Ao julgarmos tudo no viver e criar

Vemos que Ele não julga; mas assim faz nosso coração

 

Amar o próximo como a ti mesmo.

Quinto Zili

Espelho, 254

Espelho

Melhor espelho que nossa vida

Que retrata a alma de um todo

Formato e essência atribuída

Nos mostra tudo sem engodo

 

Nossa maior dificuldade

Enxergar o tal espelho

Fugimos dele na verdade

Atentos esguiar do real conselho

 

Vemos tudo que está no entorno

Sem perceber no entanto o detalhe

Que o espelho só mostra o contorno

O conteúdo nos cabe o entalhe

 

Somos o reflexo de tudo um pouco

Pois que a vida é o espelho verdadeiro

Todo o irmão enxerga o que temos de louco

Cada um de nós é um médico obreiro

 

Só ver nos outros os defeitos extremos

É não entender onde o espelho descansa

Não é só na parede onde julgamos o vemos

Mas no limite donde a alma o ver alcança

Quinto Zili

Paciência, 239

Paciência

Na paz e na ciência

Na ciência da paz

Na plena consciência

Atitude que apraz

 

Calma no ouvir

Humildade no olhar

Tranquilo sem ferir

Bondade no falar

 

Paciência é meio e fim

Tentar é caminho a seguir

Ousar se contestar enfim

Poder o orgulho ferir

 

Ouça a mais

Até ficar rouco

Sê paciente e calai

Amolece o coração só mais um pouco

 

Se achou que ainda é vago

Ser paciente é não ser orgulhoso

Amar a própria voz, grosseiro afago

Apreciar a do outro, respeito zeloso

Quinto Zili

Abraço, 198

Abraço

Meus braços envolvem um você

Um você me devolve o melhor

Volto minha vista à sua mercê

Se cala tua voz, passou o pior

 

Trocada a energia que nos envolveu

O meio nos deu o possível benefício

Fiquei de um você o que pôde ser meu

Dei a esse ti o que senti desde o início

 

Abraço nos trouxe a alma em Jesus

Calor na troca, amor envolvente

Cada um pode sentir o bem que conduz

O amor é o ar que o carente mais sente

 

Intensa a sensação num abraço de amor

Cura toda ferida de dentro pra fora

Se fora era ferida, a matéria teve a dor

Dentro, o espírito, traz melhora que aflora

 

Este abraço foi Deus quem nos deu

Agradeçamos pois o enlevo divino

Do cosmo o fluido maior nos benzeu

Jesus de Deus nos legou o pão e o vinho

 

Jesus nos guie, inspire, ilumine e proteja.

Amém

Perdão, 390

Perdão

Notadamente difícil

Senão quase impossível

Tomar um gesto

De assumir um resto

 

Passar a borracha no ser

Apagando um passado

Ou poder esquecer

O que lhe fizeram de errado

 

Perdão é para poucos ainda

Toque da mão de Deus

Raiva já que se findou

Só para quem ama até os inimigos seus

 

Muito grande e completa

Atitude e pensar maior

Perdoar de verdade como atleta

No exercício da alma superior

 

Envergar a excelsa qualidade

Se e após depurar muitas sensações

É prova e obra do espírito na verdade

Lastro a somar em sucessivas encarnações

Quinto Zili

Moral, 388

Moral

As leis humanas

Versus as leis naturais

Essas, plenas e totais

Aquelas, mundanas

 

Nada de errado com nossas leis

Seriam justas se iguais para todos

Quanto mais assim tenhamos

Mais de Deus perto chegamos

 

Civilização ainda não é prova

Também não só evolução tecnológica

É da moral que o Cristo nos fala

Pouco ainda do espírito nos cala

 

Religiões várias

Explosões de fé

Às vezes parece damos ré

De tão falhas nossas intenções primárias

 

Queremos muito

Doamos pouco

Pouca caridade sincera

Ainda o bem, só quimera

Quinto Zili

Importante, 143

Importante

Caminhar constante e sempre de dia

A noite foi feita pra descansar

Volitar pode ser opção, boa guia

Mas é para poucos no entanto alcançar

 

Ser simples e fiel no íntimo ser

Moda vem nos trazer muita sofisticação

É prudente olhar mais o seu do que o meu

Inveja mostra por traz muita complicação

 

Se te importa muito com tua aparência

Vasculha o baú do passado distante

Foste demente e pedinte sem importância

Hoje pareces dândi, belo infante

 

Não é importante como o outro lhe vê

Vale na vida como tu te apresentas

Cartão de visita da aura se lê

Verdade maior, não é a que aparenta

 

Focas então o teu cerne importante

Alivias o peso da madorra aos seus

Contamos num dedo o mandamento relevante

Amar teu próximo como amas a Deus

Quinto Zili

Nome da flor: Vida, 277

Nome da flor: Vida

Toma essa flor pra ti minha irmã, meu irmão; ela se chama Vida.

Percebe seu perfume.

Todo dia de manhã te acordarás lembrando como é o sentir o aroma bom da Vida.

Seu caule fino onde a seguras pela mão é cheio de espinhos porque é de sua natureza mas isso não diminui em nada sua beleza.

Se achar difícil segurá-la lembra-te que só há um jeito, com suavidade e firmeza, com certeza junto ao peito.

Onde tuas mãos a tocarem ela sentirá tua intensão e se for com pensamento firme e com amor cada espinho se transformará e te mostrará como seu caule é gostoso de segurar sem dor.

Suas pétalas, essas se abrem todo amanhecer e só se fecham ao anoitecer ou se você optar pela tristeza. Isto mesmo, teu olhar para ela é que a alimenta com certeza. Regue-a sempre com a água da paz do teu coração e adube-a sempre com o sorriso do teu olhar como oração.

Aceita essa flor com o nome Vida como meu presente. Cuide bem dela como se fosse o último que você fosse receber. E acredita que essa Vida te trará sempre algo melhor ao teu ser.

E sua beleza será tanto maior e imensa se ao plantá-la no teu jardim deixá-la próxima de outras mesmo de diferentes crenças. Ela irá se sentir bem e terá a sombra das maiores e fará sombra às menores nascentes.

Tome essa Vida como tua  daqui em diante, e não te esqueça que quem te deu te ama como o ser mais importante.

Quinto Zili

 

Partida

102

Partida

 

Sensação de vazio me invade

Bloqueio dos sensos gerais

O escoar do dia se impede

Do falar e do tecer mentais

 

Fui embora, não sinto o brilho

Ficou só mesmo um leve atino

Parece que perdi todo o equilíbrio

Me sobra pouco, um leve fascínio

 

Me chega de volta então um suspiro

De vida deixada há pouco de lado

Meus pés voltam , me ergo e respiro

Me vai passando o torpor gelado

 

Consigo lidar novamente com a luz

Peço Mãe Maria me conceda seu colo

Vejo de novo a figura de Jesus

Rogo a Deus quebrar o protocolo

 

Acabei de chegar por fim do outro lado

Sinto todos os meus, próximos comigo

Não mais sinto aquele vago atrelado

Vejo então que me aguarda um amigo

Quinto Zili

Amigo

99

Amigo

 

Quero hoje te falar meu amigo

Sempre estivemos juntos nessa vida

Mesmo quando não me sentes contigo

Nunca me paira a menor dúvida

 

Se escolhi te acompanhar a jornada

E tú nem sequer sabias disso

Porque Jesus assim nos agrada

Permitindo um a cuidar do outro em serviço

 

Hoje em dia me queres conhecer

Tentar desvendar minha graça

Mas antes de teu berço saber

Já éramos conhecidos de outra praça

 

Que importa saber de detalhes agora

Se nossas vidas dependem um do outro então

Mesmo que fomos inimigos outrora

 

Hoje participo e te ajudo em tudo

Sem vislumbrar nem paga de tostão

Mas que iremos crescer juntos sobretudo

 

Deus te ilumine a caminhada

Já que nos merecemos mútuo convívio

Poderemos crescer e evoluir nesta jornada

E prestar contas a Jesus com mútuo alívio

Quinto Zili

Terras, 278

Chão de pisar

Por onde ando

Terra de plantar

Colheitando

 

Ciclo de vida

Plantar, colher

Terra servida

Nos dá de comer

 

Terra não é propriedade

Deus não nomeou tabelião

Nada nosso, nem metade

Documentos não vão no caixão

 

Toda terra é de Deus

Natureza é dádiva maior

Retiras dela o sustento dos teus

Tuas cinzas a adubarão melhor

 

Destruir o orbe como o homem faz

Esquecendo de quem é a real propriedade

Talvez um dia seja capaz

Compreender seu papel aqui, pura necessidade

Quinto Zili

Máscaras

Máscaras

Não sendo carnaval

Porque usar todo dia

Cara lavada não faz mal

Ou sinceridade é utopia

 

Nós humanos da Terra

Raça da inteligência

Supremacia em si encerra

Tememos o confronto na essência

 

Ser claro e despojado

Mostrar semblante altero

Orgulho é redobrado

O medo mais sincero

 

Somos dúvida pura

De tudo e todos duvidamos

Orgulho é tese segura

Abrange tudo que pensamos

 

Sem máscaras seria razoável

Alvitre e aceitação sem vaidade

Impera no entanto o insondável

O achar superior, distinta humildade

Quinto Zili

274