Falas

Porventura o que somos
Não mais especiais
Nem menos importantes
Como pássaros voantes

Como as larvas nos brejos
Até um vírus
Filhos do mesmo Pai
Mesmos direitos e privilégios

E tudo em concerto
Nas mãos de um Maestro
Nada e ninguém mais valendo
No limite a morte transcorrendo

Falas e mais falas
Dizeres extremos
Por vezes tiros de balas
Reveses que todos sofremos

Somos o que nos é permitido ser
Seres inteligentes e descontentes
Sofrentes
Renitentes do querer e do ter

Sigamos em frente
Na evolução do corpo e mente
Novas falas virão
Mas só o bem e o amor nos salvarão








1230

Vícios

Orgulho, Vaidade, Egoísmo
Todos os males tem origem no egoísmo e no orgulho!


Manchas de orgulho e outros vícios enormes em minha alma
Não tenho paciência, nem humildade, nem calma
Acordo entre dúvidas e medos
Dia anterior me iludi de falsos enredos

Como sinas recorrentes
Hábitos que não se deixam mudar
Pensamentos deprimentes
Como posso graças alcançar

Pai, faz-me vosso instrumento
Me ajuda no desprender e no arrependimento
Cedo ou tarde acordarei
Da vaidade e de meus outros defeitos me livrarei


Todas as virtudes provém da caridade!








1514

Porta estreita

Eis que se vislumbra
Já em meio à tumba
Antes tarde que jamais
A tal porta estreita que o Evangelho traz

Isso para quem não entende
Quem vive a vida só material
Que no fundo o viver depende
Do equilíbrio com o nosso espiritual

A porta de que se fala certa
Estará sempre a todos aberta
Parece estreita quando o amor se cala
Mas larga quando a caridade que fala






1635

Necessidades

Físicas e espirituais
Desde as ancestrais
Viver é quanto se puder
Pois a morte vem quando ela quer

Para morrer basta vivo estar
E depois, de certo retornar
Ainda que muitos assim não acreditem
Até falar do assunto eles evitem

Temos muitas necessidades
E variadas capacidades
Uma delas é a de amar
Pois sem o amor, só a dor a nos moldar






1620

Mano Edgar

Tenho um irmão
O mais velho, primogênito
Sempre o tive como um guardião
Morando em meu coração

Hoje passa por momento importante
Segue sob cuidados médicos
Nos deixa as almas inquietantes
Nós em família o queremos bem como antes

Meu querido mano Edgar
Que estejas e te sintas bem amparado
Médico que és, aceita agora quem te cuidar
E te lembres da fé, na qual foi criado

Dezili

Lembrança de mãe

É tocante
E sensível
Estimulante
Nos eleva o nível

Fica guardada no coração
Na mente, na alma
Sempre uma boa recordação
Uma lembrança que acalma

É positiva a imagem
Quando vem à mente a mãe querida
Muito mais que mera passagem
Ela que agradecida nos trouxe à vida

Saudamos o Pai a maternidade
A pedra de mó da humanidade
Em principal à Mãe de fé
Quem nos trouxe Jesus, Maria de Nazaré











1132

Mães

Saudade e carinho
No peito e no caminho
Respeito e amor
As mães conseguem impor

Sem elas o que somos
Órfãos infelizes
Filhos em abandonos
Mercê de nossos deslizes

Mães são verdadeiros guias
Em vida nos iluminam vias
E mesmo na sua morte 
Nossa luz de sorte

Celebramos com e por elas
Simplesmente sua existência 
Serão sempre amorosas belas
Filhas de Mãe de Nazaré, a mãe por excelência






1236

Rápido

Amanheceu

Fez a prece
Agradeceu
Pediu

O dia passou
Precisou
Orou
Pediu

Se recolheu
Hora de dormir
Rezou
Pediu

E assim os dias andaram
E rápido então se deu
Depois de uma vida, morreu
Ficaram as preces que o ajudaram

Alguém o recebeu do lado dos morridos
Quem o ouvia em cada rápida oração
Mostrou-lhe a lista de todos seus pedidos
Agora volta rápido e ora com o coração






789

Poder

Se é reconhecimento
Ao líder natural
Não há padecimento
Respeito normal

Se é imposto
Pela força bruta
Se a contragosto
Um dia haverá luta

Poder justo é equilíbrio constante 
É bem dosado pelo poder votante
O guiado entende para onde o líder vai
O povo também decide quando ele sai 

1570

Cuidado

Eis que esse é o aviso
Agora mais importante
Não cabe fazer juízo
Precaução se tornou relevante

Cuidado com a higiene
O vírus está se alastrando
Não queremos ele perene
Mas agora está nos arrastando

Enquanto as vacinas não vençam o palio
Teremos árduo trabalho
Cuidado é o mantra da saúde
Ninguém quer parar mais cedo no ataúde






1558

Cafezal

O verde mais bonito que se vê em Minas, o mar de pés de café, fileiras quase sem fim de alinhamento de beleza e frescor que enchem os olhos, o pulmão e a alma.

Cenário da corrida de hoje cedo. O percurso entre morros no caminho da vila São Tomé.

Passando pelo morrão próximo de Alfenas, faço questão de percorrer as aleias, estreitas e verdejantes, são propriedades abertas e ali posso correr e conversar com os pés de café.

São quietos. Arbustos pomposos carregados de grãos verdes. Em plena granação podiam ser vistos alguns grãos vermelhos em alguns pés. 

Passo por eles puxando conversa. São reservados como eu. Porém eles parados e eu correndo. De certo estão ouvindo minha respiração, meus batimentos cardíacos, nesses morros vão a 160, 170… Eles continuam quietos. Mas  consigo ouvir um ou outro. São serenos, falam manso e pausadamente, me acalmam. Me falam de Deus, e como estão felizes por estarem produzindo, crescendo e recebendo Sol e chuva em fartura. Somos interrompidos nessa conversa pelo mugidos que vem do pasto do outro lado da estradinha de terra. Um vaqueiro tocando o gado com seus cachorros. Mas, me concentrando na conversa de pé de ouvido, ou melhor, de pé de café, noto que os tímidos e envergonhados grãos vermelhos querem falar,  como que demonstrar algo sobre a despedida pois já estão mais próximos de serem colhidos, são temporões, e estão meio ansiosos. Mas procuro acalmá-los, na  vida é assim, às vezes somos consolados, mas às vezes precisamos falar algo a quem quer ouvir. Ou só ouvir alguém que precisa falar. 

Vou saindo do cafezal, já vai meia hora suando ali no bem úmido e meio difícil chão de correr, solo irregular.

Voltando para a terra, a estrada sobe e desce muitas vezes e vou me aproximando  do morro de novo, dessa vez subindo até o topo  para ver mais uma vez a paisagem deslumbrante da vista de 360 graus que de lá se descortina. Meus  BPM passam de 180 até bater lá em  cima. Paro, respiro profundamente, varrendo com o olhar cada ângulo daquela atmosfera que me parece santa e muito próxima de Deus. Além de Alfenas, dá para ver mais umas pequenas cidades  num raio de uns 50 km ou mais de visibilidade, com o céu limpo e azul de pano de fundo. E como de costume quando estou aqui em cima canto o hino dos aprendizes do Evangelho: “Pai celeste, criador,  fonte eterna de bondade, auxilia-nos Senhor , a conquistar a verdade; abençoa o nosso esforço para o Teu reino atingir, dai-nos Pai a luz que aclara, os caminhos do porvir. És a glória deste mundo, és a paz e a esperança, és a luz que não se apaga , és o amor que não se cansa, dai-nos força para sermos os arautos do Teu amor, testemunhos derradeiros do Evangelho redentor”. 

Rezo também o que minha esposa me ensinou: “Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina sempre me rege, guarda, governa e ilumina. Meu bom amigo Jesus, filho de José e Maria, me acompanha nesse treino e também por todo o dia”. Amém!

E rezo ainda um Pai Nosso de profundo agradecimento, e me despeço do morrão, descendo num trote cuidadoso, que meus 62 anos me obrigam a zelar pelas minhas juntas, especialmente joelhos.

Cruzo um grupo de apanhadores de café, que estão só cuidando dos temporões e na lida de manutenção, paro um pouquinho e converso com um deles para aprender um pouco sobre as flores do café.

Já deu mais de uma hora de treino e agora devo buscar alguma hidratação. No terminal rodoviário tem um bebedouro geladinho onde me esbaldo de beber água e banho o rosto para limpar o suor que já me queima os olhos. 

Saio sempre animado com esse pequeno banho e dali mais um pouco tem uma saída no subidão para a subestação da Cemig. Tem um canteiro central com dez flamboyants adultos. No pé de cada um tinha uma plaqueta com os dizeres de dez virtudes do ser humano. Para minha tristeza, ao longo dos anos que faço esse percurso, fui vendo as virtudes humanas, ops quer dizer, as plaquinhas sumirem, uma a uma. Hoje só restou um pedaçinho de uma delas, da Perseverança, que era a que ficava bem na curva para retornar. Algo assim que me lembro “A perseverança é o caminho capaz de transformar o trabalho em sucesso”. 

Não consigo entender a capacidade de quem tenha destruído as placas. 

Já estou de volta à cidade e ainda dou uma volta de uns 3 km para retornar pela avenida e descer de volta pela rua da minha sogra. 

Ponto final. 15 km, muito suor e uma velha e amiga sensação de bem estar provocada pelos hormônios da corrida. E que eu possa voltar muitas vezes aos muitos cafezais para conversar com Deus, Quem nos concede a graça de viver.  

Ser

Como somos plenos
Completos
Pelo Pai feitos
Criados com deveres e direitos

Não há nada inútil
Nossas vidas são perfeitas
É por nossa conta o fútil
Causa e efeito em relações estreitas

Somos o ser
Mas teimamos no estar
Nos perdemos no ter
Creiamos no agora, do nosso elevar







1458

Erros

Há de todos tipos e formas
De naturezas diferentes
E os além das normas
Há erros surpreendentes
 
Os piores, os morais
Por trás de todos os materiais
Do ser humano incompleto
De falhas e vícios repleto
 
Sem preciso erros enumerar
Nem tampouco os classificar
Só um jeito de se melhorar
Seguir Jesus e seus hábitos praticar
 


1249
 
 

Bola

Como ela rola
Tem tal facilidade
Nada como uma bola
Com sua capacidade
 
Quando perfeitamente redonda
Poderia infinitamente rolar
Não fosse o atrito
O tempo todo a provocar
 
No vácuo ela não pararia
Nem se os físicos quisessem
Qualquer mágico assim gostaria
Que as bolas tal fizessem
 
E por aí há céticos
Que creem a Terra plana
A nossa bola entre ecléticos
Não rolaria mais, oh! profana
 
A vida é como a bola
Rolamos quase sem fim
Um dia simplesmente se atola
O corpo estanca, para o espírito desenrolar enfim
 


1088
 

Mais uma

Não é à toa
Parece que não
Como o tempo voa
Como as coisas são
 
Tudo passa nessa vida
Mais um dia, mais um verão
Anos se vão e outra lápide erguida
E seguimos, à outra dimensão
 
Mais uma encarnação
Nossas  sucessivas vidas 
Nosso espírito as vestes renovando
A evolução em tudo se consumando


1467

Pular

Há situação 
Conveniente
De ser transigente
Pular vira solução
 
Saltar o problema
Avançar um pouco
Depois retornar ao tema
Para não ficar louco
 
Só o que não se pula é a justiça divina
Não há mal que não se torne sina
Pois que livre arbítrio também é lei
E o efeito é da causa um rei



1485
 

O último dia

O encerramento dos ciclos
A passagem de um ano
Término e recomeço
Despedida e recepção com apreço
 
Assim todos os anos acontece
Queremos que tudo mude 
Para melhor, sempre na prece
Com votos de toda saúde
 
Então vamos ao convite
Consoantes ao melhor e honesto alvitre
Que a humanidade encontre a cura
Dos vírus morais de nossa alma impura



1473

Foi

Ontem
Agora há pouco
Passou
Foi
 
E não deixou adeus
Levou a tristeza e o tormento
Menos as esperanças
Foi-se o mau pensamento
 
Eles nos visitam
De quando em quando
Entre nós transitam
E andam em bando
 
Foi, mas pode voltar
Lhe damos sintonia em maus momentos
Vigiar e orar
Agir e cuidar dos maus alinhamentos
 


1280

Lembrar

Do que devemos lembrar
Senão de coisas boas
De boas atitudes
De amar e não odiar
 
Ter a raiva na lembrança
Ódio, tristeza e vingança
De que vai adiantar
Na real só vai atrapalhar
 
Usar o coração e a mente
Guardar só o que vale a pena
Poder só lembrar no presente
De fazer o bem a ser o lema
 


1433

Natal

Um novo amanhecer
Em nossas vidas
A luz trazida pelo maior Ser
O amor entregue às nossas almas sofridas
 
Feliz Natal
Querido Cristo supremo
Nosso abraço mental
Põe sobre nós Vosso olhar sereno
 
Vossa benção nessa data
À toda humanidade
Que toda alma grata
Lembre de Ti de verdade


1466

Campo Grande

Terra de poeta famoso
Planície e plantações
Clima gostoso
Cidade de emoções
 
Um campo enorme
Olhar se perde na beleza
Clima quente e uniforme
Campo Grande espanta tristeza
 
Rica cidade
Das árvores centenárias
Prosperidade
 
Largas avenidas
Facilidades viárias
Quase um milhão de vidas
 
Poesia a lembrar Manoel
O eterno de Barros
Alguém amigo, que já é no céu




812

Mancha

Como a minha 
Como a tua
No corpo tinha
Na alma nua
 
Mancha aparente
Mancha oculta
Se não as vemos, estão na mente
Nossos sentimentos de culpa
 
Na roupa fácil sai
Só lavar
Na alma vai
Nos acompanhar
 
Um dia chega então
Se limpa a mancha de vez
Usando o sabão do perdão
Em nós mesmos ou a quem mal nos fez
 


810

Falar

Contar um conto
Aumentar um ponto
A vaidade no falar
Orgulho de tudo aumentar
 
Em beneficio próprio
Ou a prejuízo de outrem
Exultar no falar
Escutar sem calar
 
O fio da língua
Nunca fica cego como a faca
Ao contrário mais se afia
Quanto menos o tom se alivia
 
Falantes pouco ouvintes
Surdos do coração
Violência verborrágica
Se acaba em vivência trágica
 
Acalmar a língua
Recolhê-la à boca
Sem emudecer de todo
Sem forçar o engodo
 
Se o silêncio é uma prece
A boa fala é o que enternece
Lembrarmos de nosso Jesus a falar
Ama-te a ti mesmo, para o próximo poder amar



685

Atitude

Não sem preocupação
Independente da ocasião 
De preferência com educação
O que se espera é nossa ação
 
Termos atitude é necessário
Há muitos e diferentes momentos
Ainda que em meio precário
Quando se evitarão maiores tormentos
 
Que seja no bem
E para o bem
Que o exemplo seja bondade
Em atitude de caridade
 
Seguir o Mestre Jesus em sua fala
E segui-lo na ação em plenitude
Pois que Ele nos espera aplicá-la
Que busquemos replicar Sua boa atitude


1120

Meu neto Léo

O Gábi já anunciava quem seria
Com ele colocava a prosa em dia
Nos contou durante toda a gravidez
Chamá-lo de Léo, desde o começo o fez
 
Hoje cedo brotou  com sua carinha
Diferente do mano, dá para perceber
Pouquinho mais alto, mas peso em linha
Lembra a mãe e como o pai vai crescer
 
Agora o lar estará mais completo
E a casa cresceu, foi na Granja ancorar
O espaço ideal sob um lindo teto
Onde irão crescer, viver e morar
 
Seja bem-vindo nosso querido Léo
Te abençoam Vovô Dedé e Vovó Mel
Vovô Boris e Vovó Cid também
Avós de coração Pati e Odi amém
 
A benção dos tios Laura e Guilherme a brilhar
Te ajudarão na vida e a te guiar
Amor de Marcela mãe te iluminará
Amor de Julian pai sempre te acolherá
 
                                           28/11/2020
                        
 

O aroma do bolo

Lá pelas tantas, nos finais de tarde
Entre as atividades da infância
Hoje me vem doce lembrança, sem alarde
O aroma do bolo da mãe, seu carinho em fragrância
 
Assim que me vem à mente
Com sabores de laranja, chocolate ou cenoura
E ao coração que vai sorridente
Bolha de recordação de amor que estoura
 
Cheiros dos beijos e de seus abraços
As mãos quentes a me acarinhar
Foram construídos lindos laços
O aroma do bolo para sempre vou lembrar
 

1414

JESUS

Disse um homem uma vez
Fora da caridade, salvação não teremos
E há muito tempo se fez
E dele nunca mais nos esqueceremos
 
São dele as sandálias da humildade
É dele a tradução da palavra amor
O exemplo pleno, fiel e total da verdade
A ação que marcou a Terra para a eternidade
 
O único filho adulto do Pai
O primogênito entre nós
Aquele que se transformou em igual
Voltou para nos ensinar a vida no plano carnal
 
Que bondade maior pode existir
Quem terá moral para com ele discutir
O Espírito da Verdade
A alma mais pura da humanidade



1151

Morte

Certo é que o corpo morre um pouco por dia
Desde que se nasce até quando se parte
A morte chega sempre e sem folia
Dela nos aproximamos até com alguma arte
 
Já o espírito esse eterno e perfectível
Desde o Pai como cada um de nós foi criado
Do fluido cósmico nossa quintessência sensível
Reza o Pentateuco por Kardec codificado
 
Haveremos de compreender melhor
Que a vida espiritual nos é maior
O corpo material nasce e vai à morte
O espírito dele se desprende a seguir seu norte



1418

Fonte

Às vezes estamos longe 
Ou não a achamos
É importante onde
A fonte conheçamos
 
Dela nos nutrimos
Da água limpa
Do saber sem limos
 
A do amor, a mais pura
Dessa não há como se enganar
O Irmão maior Quem fez a semeadura
Essa fonte veio de Deus a nos salvar
 
Nunca secará 
Pelo contrário
Só se expandirá


1127

Cumida boa

Satisfeitu
Cumi
Bibi
Du meu jeito
 
E ocê cumpadi
Buchu chêi
Cumida vontadi
Quili e mêi
 
Brincanu cocê
Qui nem cómi
Cómi pocu vosmicê
Já é um mió hómi
 
Aqui só tem sopa
Deferente de antis aí
Víço de gula, ôpa
Nem pensá, tem qui dele saí
 
Cumida boa aqui mermo, só pra arma
Tem dintendê cumé qui é
Cumilança aqui, ninguém bati parma
Mais, tenção, tem pra quem quizé
 
Gradeçu a Deus todu poderosu
Iscapei dum bão pesadelu trevosu
Achei minchada e tô plantanu u bem
Minha Santa du Rosário, mi ajudanu, Amém!

785

Festa

Um momento
De comemoração
Serve de alento
Celebração
 
É importante
Que se dance e cante
Fazer a festa
Em atitude honesta
 
Ter os convivas ao redor
Família e amigos, o melhor
Compartilhar alegrias
Saudáveis arrelias
 
Agradecer sempre ao Pai Celeste
Sem exagero e desperdício que não preste
Há momentos na vida também a comemorar
Celebrar a própria vida é festa salutar
 

1167

Luz

Quanta treva há
Pela Terra, pelos mundos
O escuro de lá e de cá
Há buracos rasos e fundos
 
É só falta de luz
Como o mal é ausência do bem
Ou só tirar o capuz
Da ignorância que se tem
 
Há mais luz que pareça
De dia e mesmo que anoiteça
Há sóis espalhados por todos espaços
Assim como o amor faz, criando laços
 
Além da luz solar
Que cega qualquer olhar
Existe a moral do bem que mais reluz
Do estelar filho de Deus, nosso irmão Jesus
 

1135

 

Calma

Quando tudo para
Se tudo para
Porque tudo para
Então calma
 
Os dias continuam
Com vinte quatro horas 
As noites permanecem escuras
Tenhamos calma
 
Sobra tempo na verdade
O mesmo que antes faltava
Onde está a pressa da humanidade
Por isso, calma
 
Tudo desacelerou em realidade
E a natureza manteve seu curso normal
Talvez agora quebrou-se a ansiedade
Ajamos com calma
 
Qual será o retorno ao normal
Do ritmo alucinante do corpo e da alma
Mas a natureza não mudará e continuará igual
Precisaremos aprender com ela, pensar com calma



1208

Feliz

É quem consegue sua noite de sono
Plena, descanso, paz
É quem trabalha até o pôr do Sol sem dono
Consciente de todo o bem que faz
 
É no caminho que se encontra
Felicidade não é um destino
Há muito que se levar em conta
Vem de Deus o ensino
 
Como ser feliz
Sem só o buscar
Como o ditado que diz
A borboleta é que escolhe seu pousar
 


1383

Pendor

Certos traços
Da nossa alma imperfeita
Mais parecem laços
De velha trama refeita
 
Como os vícios
E as más tendências
Donde vem tantos resquícios
Nos impregnam tantas latências
 
O pendor de cada um
Ou mesmo os vários
Tem real explicação comum
Livre arbítrio dos reencarnacionários


1369

Liberdade

Portas abertas
Deixaram flancos no passado
Como o ser questionado
Julgar das mazelas encobertas
 
Transparece aqui nosso ser
O carvão virou cristal
Alma virou espírito como tal
Aflora o eu do agora ver
 
Descoberta a verdadeira vida
Que não se via simplesmente
Os destroços da alma recolhida
 
Liberdade antes que tardia
Que aprisionou o renitente
Agora a consciência que o alivia
 
A.Q.


651

Amor

Amplitude de uma palavra
Nos domínios do sentimento
A caridade na origem da lavra
O todo como seu complemento
 
Do mínimo ao mais amplo
O ar do aroma do campo
Como em astral celestial
Desde sempre elemental
 
Nada existe sem
Conserta o mal
Sinônimo do bem
Só o amor tem esse sinal
 

1321

Dores

Vasos bem plantados
Sementes de boas flores
Regadas com cuidados
Porque colher dores
 
A terra era de qualidade
O tempo ajudou
Havia oportunidade
De olhar o que se plantou
 
As dores do passado
Não voltam iguais
São flores de um legado
Que teu espírito plantais
 
Aprendeste muito com elas
Marcaram fundo em raiz
São ajudas hoje que apelas 
Do teu ser, forças de aprendiz
 
Agradecer as dores ao Pai
São os caminhos que encontramos
Sofrer não é regra, nem cai
Na cabeça, se não o semeamos

247

Casamento

Foi quando aconteceu
Um elo se fechou
União se completou
Casamento, ao namoro sucedeu
 
São ciclos que se repetem
Materiais, mas espirituais
Na vida prevalecem
E seguem contratuais
 
No entanto há separações
Almas em evolução, distratos são realidade
E são como provações
Soluções à bem da verdade
 

1354

Beleza

Não se põe à mesa
Conta o dito popular
Qual efêmera riqueza
Beleza enfeita o olhar
 
Que vem a ser
Mais que a aparência
O belo todos podem ter
Só depende da referência
 
O que é mais belo que o amor
Que cura doenças e absorve a dor
O que é mais belo que o bem
Que nos trouxe Jesus e não o nega a ninguém


1345

Preço

Bem se sabe desde o começo
Qual a diferença
Valor não é preço
Preço é recompensa
 
Quanto se pode pagar
Quanto nos custa o comprar
Preço é pelo exterior
Valor é pelo interior
 
Bom entender o essencial
Valor é falar da moral
Preço é recurso de se pagar
Valor, capacidade de se doar


1303

Diferenças

Graças a elas
Ou por suas existências
Diferenças é que são belas
Exceções ou excelências
 
Somos sim diferentes
Mas iguais perante às leis naturais
Humildade e caridade seriam mais presentes
Fôssemos menos materiais que espirituais 
 
O benefício das diferenças
Pois divergimos em crenças
Mas nos unimos em Deus pela fé
O Único que sabe quem cada um de nós realmente é


1315

Pais

Em tempos como estes

Difíceis de pandemia

Estar com o pai é uma benção

É tudo que se queria

 

Lembrados e amados

Em pensamento ou em companhia

Nossos pais são alquimia

Relações de carinhos trocados

 

Onde estejam

Em espírito ou cá por perto

Que todos sejam

Abençoados por Deus, o Pai certo

Dias dos Pais Poesia Francesca 2020-08-09

Francesca,  10

Aqui

Qual a dúvida então

Do lugar onde se encontra

Não haverá do aqui questão

Se soubesses do passado a monta

 

É sim fácil de entender

Talvez difícil de se conviver

Reencarnar traz o véu do esquecer

A oportunidade dos erros rever

 

Aqui é o lugar

Correto e exato

Não há do que duvidar

Ninguém está onde não devia de fato

 

1308

Última

Quando se espera

Na fila da vez

E a providência opera

A demora tem seus porquês

 

Quem chega primeiro

Tem sua razão

Tanto quanto o derradeiro

Que aguarda na última posição

 

Segundo nosso Mestre na bondade

O último será o primeiro

E o menor será o maior em verdade

Lições de humildade e amor verdadeiro

 

1305

Carta

Deixei a carta

Na cômoda

A despedida

Incômoda

 

Era um adeus

Sem volta

Sem nunca mais

Minha revolta

 

Foi difícil entender

Depois de muito sofrer

O que se deu após

Quanto tempo, que fiquei a sós

 

Uma vida não cabe numa carta

Nem despedidas

Extremas medidas

Para que errado se parta

 

Maior erro de alguém

Contra a própria vida atentar

É duro e só se percebe no além

Nada muda, morrer do corpo não vai aliviar

 

1126

Cedo

Acordado

Pronto, de pé

Rosto lavado

Não volto à ré

 

Novo dia

A vida já acordou

Isso me alivia

A morte não me levou

 

Não que eu dela tenha medo…

No fundo muito a respeito

Tenho medo só de dor no peito

Caso esse venha a ser o meu enredo

 

Hoje acordei ainda mais cedo

Gosto muito de minha vida

Realmente não tenho medo

Acredito em Deus, em Sua misericórdia sentida

 

1106

 

Tinta fresca

Aquela casinha

Bonitinha

Da vielinha

Pequenininha

 

Acabaram de pintar

De reformar

Nova gente vai a ocupar

Novos donos a usar

 

Tinta fresca, o aviso

Cuidado

Mas nada foi feito de improviso

Projeto esmerado

 

Minha alma também precisa

Reforma e completa pintura

A condição em que está sinaliza

Talvez até mexer na estrutura

 

Tinta fresca, no coração

Sincera reforma concluída

Sob nova direção

Minh’alma reerguida

 

1100

 

Mundo

O quanto conhecemos

O quanto saibamos

Por mais que imaginemos

Por mais que queiramos

 

O que nos é dado saber

Não só para nos entreter

Pois se há um infinito ao olhar o céu

Não há imaginação a desvendar esse véu

 

Há um infinito a se descobrir

Há vários mundos a se procurar

Não parece só um universo a existir

As muitas moradas do Pai a se habitar

 

Incontestável nossa pequenez

Se a Terra é um grão de poeira nas galáxias

O que cada ser de nós será por sua vez

Nossas relativas importâncias parecem falácias

 

Só há uma explicação para tudo isso

Um Deus único que rege tudo por amor

Vivemos ainda na ignorância em rebuliço

Cada um em seu mundo e com sua dor

 

1093

Medos

Temos nossos medos

Sim, são demasiados

Nos escorrem pelos dedos

Ficamos apavorados

 

Alguns nem se justificam

Outros nos mortificam

Até os sem causa aparente

Surgem de forma eloquente

 

Vem do inconsciente

Temos traumas dormentes

Freud ajudou destrinchando a mente

E há medos na alma muito potentes

 

Sempre existe uma causa raiz

É lei maior já há tanto explicada

Medos consomem o tempo e tem força motriz

Muitos vem de mais de uma vida passada

 

Só temos um exemplo de alma sem medos

A do filho de Deus Pai de toda luz

Nos ensinou tudo sem guardar segredos

Amor, perdão e caridade do nosso Irmão Jesus

 

1090

Erros

São ruins e indigestos

Do próximo e os nossos

Como atos desonestos

Nos traem os passos

 

Voluntários ou não

Se repetem e são muitos

Estão sempre em nosso porão

Erros medidos ou fortuitos

 

Que saibamos reconhecer

Quando um deles acontecer

O melhor é se arrepender

Com todos eles se aprender

1295

Espíritas

Todos que creem nos espíritos.

Que entendem o que os espíritos do bem e os espíritos superiores nos disseram no passado e continuam a nos dizer ainda hoje.

Sem dogmas.

Sem mitos.

Sem mistificações.

 

O Espírito da Verdade nos trouxe o Evangelho, desde Jesus.

Deus é o bem maior. O amor supremo.

 

Espíritas são todos aqueles que praticam o bem.

Cristãos ou não.

Ateus ou não.

 

Espíritas são todos aqueles que ouvem ou assimilam as inspirações do bem, do amor e da caridade.

 

O bom espírita é o que não contesta a religião do outro.

 

Kardec codificou a obra e as mensagens evangélicas.

 

Jesus muito antes nos trouxe a prática, além da teoria. Há mais de vinte séculos.

 

Espírita é todo ser sensível desse planeta.

 

Só há uma religião a ser seguida, a da caridade, da compaixão, e da bondade entre o seres humanos dentre todos os povos do planeta Terra!

Quinto Zili

1184

 

Meio

Botinha junho_2020

Francesca, June_2020

Sem ter o início

Não se tem o meio

Para se ter o fim

O meio é o veio

 

O meio é agora

Essa meia hora

O minuto dentro dela

O que o instante revela

 

Se o fim não justifica o meio

Mas se o meio justifica o fim

Entre nós, cada um assume a que veio

Amando o próximo, como a si mesmo enfim

Quinto Zili

1268

 

Faz sentido

Porque estamos assim

Tudo parecendo o fim

O mundo quase parando

Muita gente morrendo

 

Porque tudo isso agora acontece

Por mais que se rogue em prece

A vida para muitos perdendo o sentido

O mundo em momento perdido e sofrido

 

Haveremos de entender

As prerrogativas divinas

Nos caberá compreender

Porque nascendo novas rotinas

 

Uma verdadeira guinada

Retomada para a real jornada

Talvez uma última oportunidade

De se resolver nossa humanidade

 

Deus não impõe e nem quer a morte

Nem a vida é uma questão de sorte

Faz sentido o que está acontecendo

Um vírus; o Pai nos arrebanhando

Quinto Zili

1238

Aperto no coração

Dessa vez ele bateu forte

Veio no coletivo

Nem azar nem sorte

Para todos e pouco seletivo

 

Aperto no meu coração

No teu; nos nossos

Sem sofrimento vão

Pelo mundo rastro de destroços

 

Milhões de doentes

Distantes de seus parentes

Óbitos às centenas de milhares

Cenário que pasma os olhares

 

Aperto no coração

Tristeza e calamidade

Renasce a solidariedade

Homem na Terra em provação

Quinto Zili

1224

Mãos

Que dão equilíbrio

Dirigem os braços

Tateiam um livro

Nos abraços, os laços

 

Mexem em tudo

Fuçam, cutucam, espalham

Deslizam sobre tudo

Mãos soberanas que falham

 

Cumprimentam ou desprezam

Quando frias incomodam

Quentes inflamam

Juntas punem ou aprovam

 

Os aleijados podem não tê-las

Ou só não é possível vê-las

Deus nos cria espíritos perfectíveis

Nossos corpos, veredas susceptíveis

 

Mãos fazem e desfazem

Constroem

Destroem

No bem ou no mal se comprazem

 

Mãos refletem a alma

Fazem o que são comandadas

As de Jesus só expressavam calma

As nossas ainda precisam ser educadas

Quinto Zili

1084

Avião Brasil

2020 bem se iniciava

Decolava o avião

Quase 210 milhões a bordo

Chegamos a sair do chão

 

Seria uma boa viagem

Pouca emoção nem vertigem

Eis que algo acontece

Uma tormenta do nada aparece

 

O Avião Brasil acusa pane rapidamente

Tempestade deixa a tripulação doente

Quase em velocidade de arremeter

Termina o avião no solo em arrastado sofrer

 

O Brasil parou de repente

Por Deus não morreu tanta gente

Pelo desastre que foi sofrido

Só restará outro avião a ser construído

 

Parábolas à parte

Metáforas intrigantes

Um vírus caindo aviões com arte

E um futuro melhor modificará o dantes

Quinto Zili

1206

 

Poucos

Na bondade

No bom coração

Na boa intenção

Na caridade

 

São poucos

Contam-se

Tidos como loucos

Doam-se

 

Caminha a humanidade

Pelos vícios à larga porta

Longe da porta estreita da humildade

Moral ainda torta

 

Mas chegaremos lá um dia

Como parecendo alquimia

Não necessários muitos tiros

Só a eficiência de um bom vírus

Quinto Zili

1192

 

 

 

 

 

 

Vírus

Ainda que do mal pareça

Tem seu lugar devido

Na natureza nada que aconteça

Foge do divino ideal perseguido

 

Um vírus não é diferente

Mutações são evoluções

Os seres em adaptações

Seguem padrão exigente

 

Os porquês são infinitos

Não entendemos a dinâmica ínsita

É mister de superiores conflitos

São ajustes da balança intrínseca

 

E tudo se dá para o bem

Nada disso é obra do mal

A colheita não libera ninguém

Vírus é meio, não o vilão letal

 

Os vírus nos corpos materiais

Morrem por anticorpos ou antivirais

Os vírus da alma de nós mortais

Não se curam com antialmas, só com reformas morais

Quinto Zili

1185

O Bom Conselho

Veio ao meu encontro

Se fez presente

Um tanto insistente

Mas eu não estava pronto

 

Por mim mesmo talvez

Me impediam o orgulho e a vaidade

Ainda não enxergava a verdade

Não o ouvia e não lhe dava a vez

 

E o Bom Conselho não desistia

Insistia

Quase todo dia

Porque eu  fingisse que ele não existia

 

E então aconteceu

O Bom Conselho desapareceu

Eu não entendi mais nada

Pensei; assim é a quem Deus desagrada

 

Nada disso porém

Na verdade fui eu que morri

Fechei um dia os olhos e não mais abri

Só acordei muito tempo depois no além

 

Vaguei, vaguei e vaguei

E quando acordei havia só escuridão

Rezei, rezei e então implorei

Gritei com todas as forças do meu pulmão

 

Senti por fim alguém se aproximar

Tocou minha face chorosa e sofrida

Abriu meus olhos para que pudesse enxergar

Estava ali o Bom Conselho, de novo a me mostrar a vida

Quinto Zili

1180

Dinheiro

O que falta à muita gente 
Quase o lugar comum
O quadro abrangente
Às vezes sobra a outro ou um
 
Dinheiro é essencial
Para a maioria
Nesta vida material
O papel pintado da alegria
 
Vindo do trabalho é conquista
Justo e sem prejuízo de ninguém
E porque Jesus não o põe no topo da lista
Sua fortuna é o amor, não o valor do vintém
 
Dinheiro não traz felicidade
Nem a compra, nem dela nos aproxima
Dar do que não sobra é prova de caridade
E a sua grande falta, expiação que ensina
 
Só é bom o dinheiro que circula
Seu acúmulo é como água parada
No fim dá bicho, mata e anula
No plano espiritual não vale nada


1166

Folia

Quanta alegria

É carnaval

Quanta folia

Multidões brincam no plano carnal

 

Será que tem também no céu

Quem sabe dizer

Como se levanta o véu

É difícil de conceber

 

Tudo é padrão vibratório

Onde o espírito não é transitório

Parcial é a vida carnal

Por isso na Terra tem carnaval

 

Não há comparações

Nem semelhanças

Há alegria e tristezas em vibrações

Sintonias determinam alianças

 

Há quem goste do carnaval

Mas há outro tanto que não faz questão

Também não é luta do bem e do mal

No mais é não esquecer o ensinamento cristão

Quinto Zili

1160

Pati

Hoje é festa no coração da amada

Minha querida, meu amor

Mais um ano juntos na jornada

Os espinhos só protegem a flor

 

Você é minha poesia

A que eu não preciso escrever

É a minha doce teimosia

Meu coração bate ao teu perceber

 

Felicidades minha Pati linda

Vamos juntos continuar

Com nossa Francesca bem-vinda

Para nos atestar o maior amar

 

Te quero muito feliz

Não só hoje mas sempre

Somos um do outro aprendiz

Deus te abençoe o ser contente

 

 

Silêncio

A máxima é que é uma prece

Que por esforço se estabelece

Placas avisando e tudo mais

Por vezes ter que se pedir aos demais

 

Em tumultos não tem como

Só se o silêncio for interior

Que é hábito difícil no extremo

Não embarcar a mente no mundo exterior

 

Não é fácil para a maioria

Silêncio é como o ar que se respira

Não pode faltar a ninguém

Tampouco ser privilégio de alguém

Quinto Zili

1150

Guilherme

Oi Gui, querido filhão

Hoje é dia de tua comemoração

Dia de celebrar

Do teu nascer despertar

 

A vida te trouxe a nós

Teus pais em família

Recebemos teu sorriso e simpatia

Teu olhar azul de príncipe que desafia

 

É um trabalhador fiel

Um guerreiro de muitas  batalhas

Para mim um Guilherme Tell

Sincero, íntegro e honesto, no mundo de almas falhas

 

Parabéns filho amado

Por este e todos anos anteriores

Desculpa o pai por ser tão calado

Que te ama quieto e sente tuas dores

 

Continua na busca do amor

O verdadeiro e o inteiro

Amar também é conhecer a dor

Na vida nem tudo é passageiro

 

Cuida do corpo e da alma

Ouve teu espírito contigo falar

Até a ansiedade encontra a calma

Mazal Tov, quero te desejar

Pai

 

Rua

O bom endereço

De uma boa casa

Mas pode ser só um destino

De quem não vive e a vida arrasa

 

Sendo rico ou sendo pobre

Cada qual tem sua rua

Com teto ou mal se cobre

Vida doce ou nua e crua

 

É o próprio universo

Por onde passa muita gente

A rua é do poema o verso

Rima da vida o lar ausente

 

Mesmo escura a rua acolhe

No fim para muitos vira solução

Sem saber do mundo ela recolhe

Quem perdeu tudo, inclusive a ilusão

Quinto Zili

1146

A couve da briga

Provocação houve

Por causa de uma couve

A mais bonita da banca

Ali começou altercação franca

 

Houve forte disputa

O maço era da manteiga gigante

Virou palco de quase luta

Imagine a cena de briga ofegante

 

Duas senhoras madames

Desceram de seus altares

Viraram velhacas infames

Como nas brigas de bares

 

Bastou o olhar sobre a couve bela

Uma a quis, mas a outra avançou

Inevitável, o maço se partiu na querela

Das lindas folhas pouco mesmo sobrou

 

Então a couve prêmio não ficou de ninguém

O dono da banca no prejuízo restou

A coitada da couve para o lixo foi também

A feira parou e as briguentas a polícia levou

Quinto Zili

1136

 

 

 

Bagagem

De acordo com a viagem

A distância a percorrer

O seguir de uma romagem

Até o tempo que vai fazer

 

Para onde se vai

De onde se sai

E tudo que influencia na viagem

Que determina o tamanho da bagagem

 

E há ainda que se pensar

Se o meio de transporte vai suportar

O peso e o volume podem ultrapassar

Não só a nossa bagagem a transportar

 

Como quando reencarnamos

Só embarcamos com o necessário na mala

Excesso de bagagem nunca pagamos

Foi o Pai que conferiu antes de fechá-la

 

No retorno, ao cabo de uma vida

Há o transporte na passagem do desencarne

Só caberá a mala que foi trazida

O bem feito alivia o peso; o mal trazido soa o alarme

Quinto Zili

1115

 

Luxo

Falar sobre o luxo

O tal que muitos querem

Enquanto outros não tem nem pro bucho

Assim que os seres, entre si, se ferem

 

Ostentação ou poder

Ou só um certo luxo

À guisa do prazer de se ter

Que acaba gerando mais empuxo

 

Sanha e ânsia

Acumular não basta

Ouros e brilhantes em abundância

Tudo que da moral se afasta

 

Que dinheiro chama dinheiro, se falar

Como também é rio que corre pro mar

Quem nasce virado pra Lua

O luxo é no material que se situa

 

E onde fica tudo isso na nossa moral

Em nossas vidas, o lado espiritual

Se nada levamos desse luxo material

Que lá atua como peso na casa mental

 

Quem está à serviço do materialismo

Que quando morre requer imediatismo

Só que não, na pátria do céu, só o amor tem vez

O luxo lá não existe, onde só fica se mereceis

Quinto Zili

957

Calma

É muita pressa

Corre-corre sem parar

E cada vez mais depressa

Quase sem tempo para pensar

 

Hoje a vida parece que está desse jeito

Se não postou o que se viu

Então não se existiu, pois ninguém curtiu

Sem post no face ou insta, é como não se tivesse feito

 

Ou então é tudo urgente

Para ontem

E todo mundo virou cliente

Ou nem me contem

 

Ora ora, minha Nossa Senhora

Onde está a calma

Porque tanta tensão se aflora

Cadê a paz da alma

 

Com certeza estamos muitos de nós a confundir

Ter urgência não é tudo fazer com pressa

Ser importante não é o essencial do existir

Informação abundante não é aprender depressa

 

Por verdades se plantam falsidades

Leitura de tweets fakes, mas livros viram raridades

Estudar e aprender exigem calma e persistência

Internet se usa por necessidade e não por opulência

 

Confundir redes sociais com sermos sociais

Calma!

Quinto Zili

1091