Preguiça

 

Quebrado o encanto da estrada

Da realização frustrada

Da não plenitude na vida

Sem desejo e a vontade carcomida

 

Preguiça nem fala dela mesma

Se evita a si própria

É estorvo da conquista

Das coisas e do mais à vista

 

Meramente voluntária

Altamente destrutiva

Aquele que a abraça

Sorve o suco da traça

 

Triste e completa

Experiência amarga

Ter preguiça é não avançar

Na areia movediça afundar

 

Fugir dela é ter vontade de fogo

Usar o medo para dela correr

De ser pleno de novo

De resgatar a vida no gozo do ser

Q.Z.

403

Terras, 278

Chão de pisar

Por onde ando

Terra de plantar

Colheitando

 

Ciclo de vida

Plantar, colher

Terra servida

Nos dá de comer

 

Terra não é propriedade

Deus não nomeou tabelião

Nada nosso, nem metade

Documentos não vão no caixão

 

Toda terra é de Deus

Natureza é dádiva maior

Retiras dela o sustento dos teus

Tuas cinzas a adubarão melhor

 

Destruir o orbe como o homem faz

Esquecendo de quem é a real propriedade

Talvez um dia seja capaz

Compreender seu papel aqui, pura necessidade

Quinto Zili

Restrições, 282

Nos modificam

Alteram hábitos

Nos retificam

Mudam hálitos

 

Se queres dar valor

Privas o uso de uma mão

Ao voltares no pleno labor

É comum externares gratidão

 

Sim é assim mesmo

Perdes um órgão do corpo são

Nunca mais ages a esmo

Notas os diferentes, não mais os fita em vão

 

Restrições são caroços na fruta doce

É esmola do universo para tu, pedinte

Luz que falta na caverna sem posse

Cego no circo, só como ouvinte

 

Se te faltas, apuras a percepção

Humildade a te recolocar no eixo

A inteligência a explorar intuição

És filho de Deus tanto como o freixo

Quinto Zili

Teto, 290

Relento

Sozinho

Ao vento

 

Entristecido

Esquecido

Desmerecido

 

Acolher este ser

Com ternura de filho

É seu irmão, seu dever

Apenas perdeu seu trilho

 

Um teto é tudo

Para quem não tem nada

Tua casa o deixou mudo

Observa a necessidade velada

 

Agradeças tu pela casa, teu teto

Nunca te faltou nada, nem abrigo

Divides o que podes com afeto

Deus nunca te pediu nada amigo

Quinto Zili

Riscos, 242

Riscos

O risco de vida que leva à morte é mais vivo e presente do que percebe a mente no ser.

Morte como passagem, toda a vida no risco de viver.

Se morrer é todo dia um pouco, viver também é o risco de deixar de ser.

Quando a vida é só um risco, a morte não é um traço. Se a vida é só um traço o risco de morte acaba em laço.

Traçar a vida sem risco sem rabiscar a morte.

Quando correr o risco pode ser mais fácil que traçar a vida sem risco sendo forte.

A linha da vida é melhor do que o risco da morte. No traço sem risco falta no ser o norte.

Alinhar a vida sem pensar no risco da morte e traçar no pensamento que o risco de vida é grande comparado com a linha da sorte.

“O traçado da vida é o risco de viver, alinhando o traço do ser sem medo de morrer.“

Quinto Zili

Tempestades, 419

Tempestades

Tempos difíceis quando despenca o céu

Tormentas da natureza sem véu

Arrebatamentos das águas e ventos

Tempestades provocam desalentos

 

De tempos em tempos

Uma catástrofe pode acontecer

Sem preparo adequado

Não se entende o perecer

 

Quando os ventos eclodem

Se vê a fúria da natureza

Tempestade arruína

Tudo que pode extermina

 

A varredura evoca nosso Deus

Porque tantos estão a padecer

Sabedoria e amor que reconstruirá

Reerguem-se cenários, tudo renascerá

 

Como a tempestade moral

Varrem-se preconceitos e demências

Aplacam-se defeitos e más tendências

Soergue-se o ser renovado no amor real

 

Jesus foi a tempestade do bem sobre o mal

Varreu maus pensamentos

Deixou reais ensinamentos

Ao ser humano, ao ser espiritual

Quinto Zili

Frutos, 394

Frutos

Rebentos da natureza

Ofertas de Deus, caridade

Eles nos alimentam

Além da necessidade

 

A essência dos frutos

Com tudo que se oferece da terra

Vem com o fluido

A água, o meio que os encerra

 

Linhagem é a essência

Do que cada um pode ser

Cada árvore guarda do que ter

Maça não é tomate por excelência

 

Do ventre pode-se o mesmo afirmar

Mas é da matéria que se pode falar

Cada alma ser espiritual

Legado de Deus, cada ser universal

 Quinto Zili

 

Luxo, 473

Luxo

Pode parecer exagero

E mero supérfluo

O luxo como tempero

O contraponto do lixo

 

Sofisticar e ousar

Às vezes foi preciso

Para diferenciar

O apagado do elísio

 

Demonstrar na aparência

Pode ser necessário

Às vistas impressionar

O peixe vender sem o precário

 

Não foi esse o luxo de Jesus

O impusemos o lixo na cruz

Mas o que Ele veio nos trazer

Nada tinha a ver com esse tipo de crer

 

Ele nos trouxe sim o maior luxo

Nos mostrou Deus verdadeiro

Em todos os sentidos, no total fluxo

Até a beleza no significado daquele madeiro

 

Só nós mesmos que não fomos capazes

De entender o que o luxo para o Mestre representava

Fomos ignorantes pertinazes

Olhamos o exterior, menos o que realmente importava

Quinto Zili

Púlpito, 536

Púlpito

Acima do povo se encerra

Majestoso, ao orador donde se falar

Dizer maravilhas a seu público

Fazendo todos calar

 

Odes e provérbios

Estrofes e discursos emocionantes

Orgulhos da palavra

Pungindo tudo que veio antes

 

Público muito atento

Parecia um sábio a se expressar

Quase nada de entendimento

Palmas soaram ao terminar

 

Assim são os púlpitos

Públicos e impressionantes

Por si só tocam os súditos

Sabem que lá o orador será sempre marcante

 

Jesus porém não ia a púlpito nenhum

Pregou mesmo ao rés do chão

Falava sempre ao povão

Pareceu como Deus se passando por ser comum

Quinto Zili

 

Evany, irmã querida

Oi Evany, hoje estive aqui

Feliz em te ver como a vi

Como você está bem

Como sua vida segue bem e além

 

Sim, você foi além das provas

Superou as expiações

Venceu seus resgates com sobras

Teu espírito distribuiu perdões

 

Assim é você minha querida

Que também me criou como filho

Minha irmã nesta vida

Que linda! Que vingaste no trilho

 

Tens muita sensibilidade

Nossos pais enxergaram bem isso

E o Chico te ajudou em verdade

E venceste até o corpo enfermiço

 

Teus mentores se alegram

Nossa família também

Todos que hoje te cuidam

Terão recompensas que convém

 Quinto Zili

Lixo mental, 151

Lixo mental

Pensamento solto, elo frágil

Ideias tolas, vigília quebrada

Não tolera o serpenteio

Mente que opera contaminada

 

Entre espasmos de saúde

Uma e outra pincelada

Leva e traz revolta amiúde

Já no ódio foi tragada

 

Superar o fel da ira

Suportar pressão demasiada

Quase chama, fogo  em pira

Quebra o lacre, explosão deflagrada

 

Se não te agrada estes versos

Faz de conta que não é contigo

Sofre e clama por gestos reversos

Do algoz que parece inimigo

 

Triste mote deste pensamento

Que é tóxico e insuportável convívio

Falta a via do saudável alento

Lixo mental destruir para o alívio

Quinto Zili

Amores, 531

Amores

Entre campos e pastos

Nos planaltos e serras

Sem limites e vastos

Até mesmo nas guerras

 

Onde se plante o olhar

Sempre encontraremos flores

Às vezes como pedras raras

Nos revelam veios de amores

 

Homens garimpam em minas profundas

Buscando as riquezas materiais

Como seriam se nas lavras imundas

Só procurassem os bens espirituais

 

As pepitas sempre são encontradas

Não importa onde sejam buscadas

Os amores são como tais

Riquezas superiores, mais colossais

 

Esqueçamos os rancores

Plantemos alianças e compreensão

Colheremos muitos amores

Além das belas flores de Deus a paixão

Quinto Zili

Companhia, 532

Companhia

Que bom, você está aí

Me lendo

Olhando palavra por palavra

Me absorvendo

 

Agora, neste exato momento

Sou tua companhia

Você me escolheu por que quis

Não vire a página ainda, só por um triz

 

Escuta, vamos conversar

Só por um pouco

Estou sozinho também

Não dão por mim um vintém

 

Pois é , você e eu agora estamos em  companhia

E já que é assim, é bom que saiba

Sou bem como você, enquanto me lia

Me entendeu e vi teu sorriso  e empatia

 

Então, resumindo, já que me leu

Agora me compreendeu

Virou meu amigo, se atreveu

Me despeço, te digo, esse poema é teu

Quinto Zili

 

Tudo ll, 405

Tudo II

Ainda que nada falte

Mesmo que de nada se esqueça

A vida cá neste planeta

Pode só passar de leve esmalte

 

Vida plena material

Pouco fala da moral

De que vale ter-se tudo nela

Falo daquilo que não é querela

 

Digo do ser não de carne

Sem a veste após desencarne

Tudo que parecia ser alguém

Mal cai em si ao ver-se no além

 

Num átimo tudo vira nada

O vazio se expande

Pode parecer só um buraco fundo

E se ver de repente um pobre imundo

 

Todo mundo é igual

Tudo e todos ao natural

A desigualdade que se vê na vida material

Se revela outra e se nivela na vida espiritual

Quinto Zili

 

 

 

Tempo e amor, 4

Tempo e amor.

Dois campos da vida.

Um existente em abundância e o outro só existe em nós quando queremos que ele exista.

Tempo e amor convivem conosco mas só se quisermos.  Um faz e o outro leva. Um fica só se o outro deixar.

Não nos falta nenhum, mas um só existe se o outro permitir.

O amor pode levar todo o tempo do mundo para dominar nossas existências e o tempo sem amor é como faltar o ar para respirar.

Mas por assim acontecer só sobreviverá nosso espírito que acordará para a luz quando o tempo chegar e o amor deixar.

Quinto Zili

Escolhas, 186

Escolhas

O céu escolhe o mar no horizonte

As estrelas escolhem o céu no infinito

Nossos pés escolhem o chão rasante

Nossa mente o saber, o mais bonito

 

Criança prefere a mãe logo que nasce

A mãe dá leite ao filho, do próprio peito

Pai e mãe se escolhem e vem o enlace

Família monta a casa do seu jeito

 

A gente escolhe um deus que imaginamos

No bem um velhinho como um Noel

No mal um bruto com quem nos estranhamos

E a vida nos mostra o real sem o véu

 

Que Deus, o Único, também te escolheu

Te criou e Te deu todas as oportunidades

Escolhestes umas boas, outras nem mexeu

Recolhe os bons frutos e deixa as maldades

 

Acolhe e não escolhe de agora em diante

Faz o que o Cristo deixou em exemplo

Não perdes mais tempo ficando distante

Melhor das escolhas, o amor como templo

Quinto Zili

Tontices, 381

Tontices

Quando se tem pouco a fazer

Vagos pensamentos

Falsos sonhos se ter

Aviltamentos

 

Descuidos, desleixos em pilha

Formam a armadilha

Cuidado, há perigo no ar

Na curva poderás capotar

 

Nossas tontices são muitas

Qualquer relaxar

Total descuidar

Ameaças fortuitas

 

Forçar a melhor conduta

Parece piegas

Mas se resoluta

Assim não te entregas

Quinto Zili

Gentileza

Gentileza

Homem das cavernas

Constantes ameaças

Medo lhe corria as pernas

Natureza só lhe trazia trapaças

 

Milhares de anos a finco

Passado longínquo

Lar e família eram distantes

Pouco do hoje havia no antes

 

Percebeu o ser um dia

Depois de muita dureza

Habilidade quase não se via

Agir por impulso de uma gentileza

 

Noutro dia nasceu como sutileza

Descobriu um valor novo

Um gesto foi assumido entre o povo

Se tornou hábito traduzindo pureza

 

Hoje temos mais dessa atitude

Que convidam as relações à gentileza

Muitos a servem com cuidado amiúde

Nem todos entendem sua beleza com certeza

Quinto Zili

384

Nada mesmo, 120

Nada mesmo

Às vezes nos percebemos como imperceptíveis seres no universo. Olhamos o céu à noite e enxergamos uma imensidão de escuro pilhado de outros mundos e vem uma noção de insignificância , de pequenez , de um não ser nada. Nada mesmo. Um nada no meio de um tudo.

Isso porque ainda achamos que o único planeta habitado e com gente inteligente é a Terra.

E quando pensamos na vastidão dos mundos também vem essa sensação  de atraso no tempo. Ainda matamos para comer. Matamos também por ódio e por vingança. Produzimos guerras. O único planeta habitado no universo destrói  sua própria natureza para sobreviver. Quanta demonstração de inteligência… Que adianta a filosofia sobre as galáxias se estamos acabando com a própria água e onde crianças morrem de fome e pela violência.

Nada mesmo. Somos nada e ainda nos falta humildade para reconhecer.

Mas temos solução e salvação. A consciência nos trará o caminho e devemos educar nossos filhos para isso. E tudo mudará. A única verdade.

Quinto Zili

 

 

Nada, 112

Nada

Ao universo estelar lançamos olhar profundo

Ou ao fundo  de nosso corpo mergulhamos

Tentamos entender todo esse vasto mundo

Buscamos compreender como funcionamos

 

Tudo está de frente à nossa cara

Podemos tocar muita coisa até mesmo

No entanto o amor ainda é coisa rara

Porque nada sabemos e falseamos à esmo

 

Queremos ter todas provas na vida

De onde termina o fim do mundo

De onde viemos para essa lida

Mas ainda o nada é mistério fecundo

 

Certeza só há mesmo de morrer todo dia

Nascer, renascer é tarefa diária

Entendermos o todo, prova que irradia

Nada saber de outras vidas na teia planetária

 

Tudo ou nada é dilema eterno

Saber o não saber eis a questão

Só o que é certo é que sem amor fraterno

Longe de Deus estaremos então

Quinto Zili

Haveres, 436

Haveres

Escrituras

Objetos

Dinheiros

Haveres

 

Seres que os acumulam em abundância

Tédio e intolerância

Preocupação do ter

Esquecimento do ser

 

Haveres materiais

Sem dúvida importantes

Mas o quanto necessário

Um porquê lendário

 

Quem os tem e se apega

O mesmo quem não os tem e não os nega

Sofre quem tem muito mas quer mais

Pena quem tem pouco e luta demais

 

Haveres e só prazeres de quantidade

Mundana concepção

Inverso da caridade como qualidade

Único caminho da salvação

Quinto Zili

Se, Mas, 435

Se, Mas

Aquilo que não deu certo

Que mudou sem direção

Avisado foi ao esperto

Alterou-se o então

 

Se tivesse acertado parelho

Se fosse feito de outro jeito

Pudesse ter seguido o conselho

O resultado fosse melhor proveito

 

O Se e o Mas,  por vezes, são dementais

Condições externas desleais

Um tanto artificiais

Que nos impomos demais

 

Nota que para tudo temos um Se

Percebe que também exigimos o Mas blasé

Quando não achamos desculpas boas

Fácil colocarmos os pés em duas canoas

 

Duvidar é bom, faz bem

Melhor seria só contestar o mal

Fugir dele quando se disfarça de bem

Quando o Se é útil para enxergar além

Quinto Zili

 

Chuva, 401

Chuva 

Molhada de água

De neve ou de granizo

Tempestades

Ou chuvisco improviso

 

Então não se sabe

Quando vem ou vai

Mas há quem estude

Poder antecipar, uai

 

A chuva traz de volta frio

A água evaporada que já foi chovida

Tudo que no tempo se transforma em rio

Nossa existência enriquecida

 

Esse fenômeno da natureza

Nos salva de tragédias fatais

Secas e desertos só seriam

Cidades em que hoje morais

Quinto Zili

Diabo, 423

Diabo

Pior fantasia do homem

Alegoria da destruição

Que o ser humano veste

Quanto e quando quer parecer a peste

 

Pintam o diabo de vermelho

Quem ele é, o macabro

Onde mora e tal

Longe da casa moral

 

Fetiches e basbaques

Ignóbeis retoques

Quanto mais o retratam

Menos se faz destruí-lo

 

No fundo é o mal

Fantasiado de tudo

Passa por bom, por amigo

Deixa o rastro sempre de perigo

 

Espanta crianças, moços e velhos

Existe forte em nossa imaginação

Como figura e ser nada é

Mas como possibilidade é tudo até

 

Se o diabo fosse só o que pintamos

O bem já o teria vencido

É pior, mais forte, pelo fel movido

Feito do mal que nós mesmos praticamos

Quinto Zili

Peste, 439

Peste

Forte expressão

Dá medo e dor

Pragas e sofridão

Traz mau cheiro e fedor

 

E não só ser física

Também se referir à moral

Corrupção de ambas

Assolam feito ondas

 

Peste já é palavra feia

Fugir dela que se esconde

Tem pernas e braços longos

Um abraço sem saber de onde

 

Mas temos melhor visão

Os espíritos nos trouxeram explicação

Doutrina reveladora, provedora

Consertos maiores vem como prova expiadora

 

Se é coletiva uma peste é solução

Nada é casual

Tudo tem relação

Em verdade tudo é causal

 

Doutrina trazida pelos Espíritos de Luz

Com Kardec, maestro a codificar

Nos cabe muito agora estudar

É caminho aberto até Jesus

Quinto Zili

Sujeira ll, 411

Sujeira

Porcarias

Besteiras

Nojeiras

E tudo de sujeiras

 

Diferente de nogueiras

Cerejeiras

Abacateiros

E todos os fruteiros

 

Dizer que sujeira é ruim encontrar

Ruim é o que não se pode arrumar

Da sujeira resta limpá-la

Trabalhar para aplacá-la

 

Quem gosta de sujeira

Não conhece o outro lado

Vive em situação precária

Padece de porca indumentária

 

Olheiras combinam com sujeiras

Tristeza e pura aspereza

Mágoas de si mesmo e de mais gente

Conferem ao sujo seu pendão de demente

 

Ora então, sai sujeira

Não te quero para mim

Não te quero no mundo

E ajudo a qualquer um a limpá-la até o fundo

Quinto Zili

Tudo, 100

Tudo

Sem dúvida é uma vida feliz e importante a que vivemos.

Sem sombra de dúvida poder amar e ser amado é uma sensação inalienável.

E sem a menor dúvida conhecer o universo, suas leis e crer em Deus é a marca do ser humano pleno.

A possibilidade simples de sermos todos irmãos movimenta por si só um complexo sistema de equilíbrio que ainda não aquilatamos. E de sermos um só nesse Deus é entendimento mais difícil para nós. Mas estamos cada vez mais próximos de perceber que tudo que fazemos e sentimos em relação ao próximo estamos por realizar em nós mesmos e talvez essa sustentabilidade do cosmo universal percebida dentro de nós nos abra a visão dos mundos. Não só nossa curiosidade mas a necessidade nos trará as percepções necessárias.

Deus maior de tudo e de todos.

Quinto Zili

Bençãos, 94

Bençãos

Somos apaixonados pelos santos e santidades e buscamos suas bênçãos a todo momento e por todos os motivos.

Mas se Deus está em nós e somos seus frutos e Jesus nos afirmou dessa maneira, teríamos que mais abençoar do que as pedi-las.

Paradoxo ou não nos falta fé nessa paixão viciada. Nos falta atitude. O bem e o amor já deveriam ter produzido seus efeitos em nós.

A falta de vontade e coragem de entender o amor e o bem nos vem da preguiça espiritual e é marca de nosso corpo carnal que se finge de vítima de si próprio.

Abençoemos com fé e humildade e nos livremos das paixões insanas buscando a vivência do bem e do amor.

Jesus nos ilumine.

DEUS Pai nos abençoe, seus filhos.

Quinto Zili

Cozinha, 88

Cozinha

Alimentação é o mais ancestral de nossos hábitos. Cozido ou crú, comemos desde sempre.

A agregação maior entre nós se deveu à criação dos espaços arquitetônicos, engenheirísticos e prazerosos da cozinha.

Queira ou não, evolução entre nós ou não, o fato é que o que mais une as pessoas e dentro das famílias é o hábito de cozinhar e comer juntos.

Os gourmets então, nem se fale. Como parecem ser cada vez mais desenvolvidos estes especialistas.

Mas o que podemos dizer é que  em planetas verdadeiramente mais evoluídos a alimentação é frugal e mesmo etérea e o que une as pessoas é o convívio  sincero, amoroso e fraterno. Em torno de temas os mais diversos, menos o cozinhar e comer.

Então!

Como transmutar essas nossas premências, hoje de sobrevivência, para uma vivência sobre e além das necessidades básicas?

Sublimar pelo amor e aprender com os ensinamentos de Jesus.

Quinto Zili

Sonolência, 80

Sonolência

Muitas pessoas estão sofrendo de um mal estranho trazido pelos excessos.

Caem em prostração e ficam anestesiadas. Baixa produtividade, impaciência, irritabilidade e momentos de torpor e sono aparecem do nada.

Não são doentes, mas padecem e seu viço cai assim como contraponto do feérico ritmo que levam amiúde.

Pura falta de organização e prioridades com perda do senso maior de aprumo espiritual. A sanha da carne, da matéria, irrefreável, tem sido extrapolada pelos estímulos das novidades tecnológicas e dos apelos constantes aos impulsos do consumo. Estratégias de fomento aos nossos sentidos do prazer efêmero se sustentam muito facilmente contrariamente ao que deveria ser feito que seria o relaxamento e a distensão de nossos centros de força e de comando, para o descansar combatendo o sono na hora errada.

Temos que retomar o comando de nós mesmos. Só isso!

Quinto Zili

Olhar, 430

Olhar

Que não seja um pedido falado

Ou gestual atado

Acaso não atenderás tal pleito

Movido pelo olhar tem maior efeito

 

Profundo

Carente

Sem palavras e eloquente

Olhar ardente

 

E o teu olhar

O que dirá

Chorarás em agonia

Ou te moverás  o corpo em sintonia

 

Correspondido um olhar

Entendido o problema

Passemos à solução do tema

Ajudar e fazer melhorar

 

Compaixão no olhar

Não é ter pena nem dó

É na verdade não pilhar

Nem fazer da caridade um nó

Quinto Zili

Gentilezas, 126

Gentilezas

Podemos, se queremos, demonstrar e sermos gentis

Quando nos convém, no mais das vezes fazer

A pureza de um gesto, vem de dentro se diz

 

E não adianta só trejeito, se só demonstras teu não querer

Ser verdadeiro é traço da atitude respeitosa

O homem bom, a todo momento, pode educado ser

 

Se sente bem a testar suas reações a toda prova

E não se desgasta ao transformar furacão em simples brisa

Queira ou não temos dificuldades em demonstrar brandura que ameniza

 

Podemos mais no esforço da boa vontade

Há de um dia chegar nossos movimentos serão só ternura

Que logo chegue então junto com a leal bondade

Luzes para todos

Quinto Zili

Mãe querida, 83

Mãe querida

Quantas vezes depois de sua partida chorei de saudade.

Da falta do seu carinho e de sua bondade.

Como era tranquilo todo o meu dia.

Pois sabia que ao chegar em casa, sua acolhida sempre teria.

Seu beijo, sua benção, suas mãos macias e quentes me tocando o rosto.

Me dizendo sempre palavras de bom gosto.

Queria mãe, voltar no tempo.

Bem criança me lembro, as dorzinhas de barriga que às vezes eram só medos que você pacientemente me ajudava e fazia a enfrentar com um toque, sempre que  me benzia.

Bastava um gemido e seu olhar me acalmava.

No frio seu calor é que me acalentava.

Papai impunha e você encobria.

Mas também era dura porém sempre com brandura.

A coisa melhor da vida, é lembrar da mãe querida.

Não acredito que um ser possa ser indiferente.

Não crer na magia que isso carrega em nossa mente.

Te amo minha mãe e que todas como você e tua fé, sejam abençoadas por Maria de Nazaré.

Quinto Zili

Vagas

Não temos vagas para santo

O anúncio estava na porta do céu

Virou-se o ateu com cara de espanto

Estou na porta errada, mundo cruel

 

Quis chamar alguém acima

Mas não iria blasfemar como bom ateu

Sentiu um certo clima

Que alguém lhe ouvia, mesmo assim não creu

 

Não queria ser santo, só queria entrar

Mas porque o aviso justo a ele estranho

Abriu-se a porta e de puro espanto

Havia muitos amigos e nenhum santo

 

Amigos do bem a quem sempre respeitou

Parentes queridos, olhares generosos

Gente que o respeitava, a quem sempre cuidou

Mas nem o tal ser supremo,  nem santos famosos

 

Todo bem que fez  em vida o lado de lá já percebia

Sem saber porque mas sempre  fez com amor

De repente tudo parou e a todos uma luz invadia

Ser superior surgiu trouxe a todos uma flor

 

O amigo recebeu uma especial das mãos daquele senhor

Nosso Pai te mandou receber a entrar e te dar este presente

Foste um filho exemplar e cuidou de muita dor

Ele viu lhe falavam de Deus, mesmo que foi irreverente

Quinto Zili

201

Peso, 263

Peso

Força da massa

O que se vê

Sempre o peso lhe passa

Excesso em você

 

Comida muita

Exercício pouco

Fome afoita

Olhar louco

 

Só descontrole

Via de regra

Olha a prole

Só tem prega

 

Caminhamos mal

Abusos mil

Pode ser fatal

Ou retomar da meada o fio

 

Reaprender

Controlar

Saúde querer

Vida preservar

Quinto Zili

Cegos, 398

Cegos

Nessa ou noutra existência

Muito se vê mas pouco se enxerga

Vale pouco a visão

Se é sem compreensão

 

O cego espiritual é pior

O cego material, expiação ou prova

Sucessivas vidas corrigem para melhor

Muitas chances ao que se renova

 

Nascer e viver em dificuldade

Forçando se perder a vaidade

Ganhamos em humildade

Se entendermos o sofrimento como caridade

 

De Deus vem a missão

Te melhorar enquanto ajuda alguém

Sem um vintém terás o sucesso

O bem e o amor garantem o acesso

 

Ajuda o cego, quem lhe entende o porquê

De estar, e não ser, só deficiente do corpo

Um espírito vencedor não precisa de esmola

Tem mais a dar, é oportunidade de escola

Quinto Zili

Frágil,496

De Damascos a Marielles

Frágil nossa compreensão

Guerras, flagelos a nossas peles

Humanos cruéis alegam suspeição

 

Termos de condutas desvairados

Dirigentes e comandados

Por enquanto, perdida a equidade

Parecem só crer na injustiça e maldade

 

Onde estão os assassinos

A incúria encobre seus desatinos

Na espreita nos ronda a guerra

Fratricidas no planeta Terra

 

Frágil e fútil o entendimento

Moral estreita dos comandantes

Falta buscar as razões dos maus caminhantes

A vida não é próprio banimento

Quinto Zili

 

Meu amigo, 23

Meu amigo

Sei que ser feliz é por dentro e não por fora.

Sei que ter a paz é equilíbrio interior, daí que ela aflora.

Por hora, sensação que nem felicidade nem paz ainda estão em mim agora.

Nenhuma novidade nisso, se sou quem e o que pulsam nesse ser imperfeito.

O jeito é melhorar um pouco, a cada dia criar mais velocidade nesse feito.

Mas o carro não vai na frente dos bois.

Eu reconheço o mal que de mim já se levou.

O errado, tentado, passado ruim do meu eu não voltará mais depois.

Porque hoje tenho a fé raciocinada do bem em mim que já ficou.

Amigo fica comigo sempre.

Que Deus te ilumine.

Peço que sigamos em frente.

Para que essa amizade nunca termine.

Então amanhã terei paz e serei feliz.

Como desde que lá atrás Deus assim sempre quis.

Quinto Zili

 

VOCÊ , 169

VOCÊ

És a fala que a todos cala

A rota correta

Caminho bendito

 

A vida como escola

Chuva que alerta

Aconchego do aflito

 

Nossas almas queres salvar

Do embate eterno

Prejuízos minorar

O alívio paterno

 

Me pego pensando em VOCÊ amigo

Irmão , mestre e senhor

Tú és guia, modelo, total abrigo

Da libertação do sofrer e da dor

 

Punge em nosso ser tua mensagem

És o carvalho de nossa floresta

Celeste na Terra a tua passagem

É tua, casa do amor, a festa

 

Jesus nos guie, inspire, ilumine e proteja.

Amém

Quinto Zili

 

Esmola, 259

Esmola

Atitude de amparo

Ajuda humana pro bono

Lampejo de reparo

Das hostes do abandono

 

Poder de desapego

Atitude de humildade

Não vale agir com medo

Se trata de caridade

 

Desprezar o humilde pedinte

Se ver livre do incômodo

Não é honesto requinte

Essa esmola revela abandono

 

Terás de dar do que te falta

Como o óbolo da viúva representa

Se é mera sobra em tua pauta

Esforço barato que tua vaidade acalenta

 

Para quem pede, difícil postura

Para quem doa só vale com amor

Comunhão de boaventura

Foi Deus a unir quem pede e doador

Quinto Zili

Avós, 260

Avós

Não conheci os meus

Não tive esse prazer em criança

Via todos meus amigos com os seus

Me via quase sem esperança

 

O carinho do colo de um avô

A meiguice do sorriso de uma avó

Não ter o privilégio do convívio me deixou

Um órfão neto que a mim trouxe dó

 

O que me faltou por exato não sei

Só sei que um recanto de avós não tive

E isso me deixou um buraco talvez

Algo roubado da infância revive

 

Mas como toda boa criança

Respirei fundo e fiz as compensações

Meus pais troquei por avós em nova crença

Irmãos mais velhos troquei por pais nas emoções

 

Cingindo tudo e então misturando

Deus nos dá sempre e nunca tira

De um jeito ou de outro vamos criando

Uma vida de riqueza, só apuremos a mira

Quinto Zili

Flores, 397

Flores

Se tem beleza natural

São flores nas vidas

O homem as vê

As planta, queridas

 

Natureza a divina mãe

Onde tudo floresce

Uma semente, Sol e água

Está feito, como prece

 

A prece da beleza

Da sabedoria dos milênios

Registros da natureza

Banquete de gênios

 

Postas aos olhos

Flores multicoloridas

Frescor e aromas mil

Riquezas que fluem sem fio

 

O mundo é melhor com elas

Flores demonstram o amor à vida

Enternecem e até florescem na pedra

Para o espírito o bem que medra

Quinto Zili

Correr,441

Hábito que cura

Descende do caminhar

Excede mais de um limiar

Tem mais pegadura

 

Há que se ter preparo

Constância e persistência

Desistir não é raro

Sucumbir é má experiência

 

Correr é viciante e traz hormônios do bem

Bichinho te fisga constante e além

Quem começa dificilmente para mais

Começa uma relação de bem estar aliás

 

O peso, é inimigo maior ; cuidado

Se forçar sem adequar é sinistro

Dieta adequada, bom sono, melhor aliado

Qualquer problema vascular deve-se buscar registro

 

Tem que ser meio, não fim

Competições desnecessárias, mas estimulam sim

O que mais importa mesmo é que correr te melhora

Alivio ao espírito e respeito ao corpo como nunca outrora

Quinto Zili

Aceitar, 379

Aceitar

O que vem do outro

Como ele é

O que ele sente

Um contato diferente

 

Sem fazer distinção

Nem julgamento

A qualquer tempo um olhar

Ajudar no que precisar

 

Aceitar simplesmente o outro é simples não

Mas facilita a aproximação

Resolve melhor a relação

Não busca pedestal de antemão

 

É prova de humildade

Ajusta a intimidade

Dá inicio à proximidade

Conduz ao amor e a caridade

 

O outro lado da moeda é ainda melhor

Quando se é aceito como se é

É tu que receberás então

A dose de amor que traz a aceitação

Quinto Zili

Elo com Deus : Páscoa , 20

Elo com Deus : Páscoa

Doce olhar de Jesus.

Nos confunde. Tanto poder e tanta verdade. Tanto amor e nenhuma vaidade. Tanta vida e viveu tão pouco entre nós.

Quando veio o tempo parou. A natureza mãe se fez de palco para sua passagem e o céu deve ter ficado mais iluminado por trinta e três anos seguidos. Era muita energia concentrada num só corpo.

Imaginar que um espírito pleno de luz se fez passar por gente como nós para que apenas iniciássemos nossa crença em algo realmente puro, maior e pleno. A fonte da própria luz divina veio até nós encurtando nosso esforço em descobri-la.

Até isso Deus permitiu acontecer para nós, seus pobres filhos, tivéssemos uma oportunidade entre tantas, porém, de sublime diferença.

O elo com Deus.

O Espírito da Verdade.

Jesus, a páscoa de todos os dias.

Graças a Deus.

Futuro, 14

Futuro

A chegada inspira nossa mente.

Experimentos feitos na vida seguem a intuição. Vastas camadas do conhecimento estão sendo desvendadas recentemente. E a linguagem do homem ainda não se beneficiou do infinito poder de comunicação com Deus. Todas descobertas são divinas e o homem demora a se aperceber disso. Está havendo evolução sim mas seremos advertidos logo dessa sequência ilógica da ausência do amor a Deus.

Todas as coisas e todos nós somos de Deus.

A trilogia do ser, humildade, bondade e conhecimento, nos colocou num necessário patamar de experimentação para que nós reconheçamos um todo e não mais indivíduos solitários errantes.

As experiências vão se multiplicar e avançar como nunca e o fluido cósmico estará mais presente na percepção humana. Ele fará parte do sensoriamento e das aquisições humanas e certos contatos serão cada vez mais frequentes. Muito ectoplasma será utilizado sem que percebamos propriamente. Até seu deslinde pela ciência dos homens.

Nada mais demorará tanto.

Quinto Zili

 

 

Limites, 189

Limites

Poder tudo pode; mas incomoda

Não há fronteira incalculável

Nem a morte como última poda

Do limite eterno imensurável

 

Ilimitado em Deus repousa todo quê

Quem cria sabe até onde vai

O que se sabe, quem mesmo Nele não crê

Desejam e temem o que os atrai

 

Na atração ao que se desconhece

Reside todo o imenso conhecer

Mesmo do novo que se evanesce

O farto repasto do se envolver

 

Sem desmerecer o desconhecido

Até o medo é teu parceiro

Oportunidades são o bem merecido

Deus nos concede o livre arbítrio derradeiro

 

Quais são os limites que se admitem

Os do próximo com certeza

Tolera, resiste ainda que teus olhos evitem

Aceita de Jesus as verdades da ceia à mesa

Quinto Zili

Susto e arroz, 235

Susto e arroz

Bom ou não, para que serve um susto

Se não ajuda também não atrapalha

Mas onde e como o susto pode ser justo

Onde menos esperamos e onde se trabalha

 

Do nada aparece uma situação

Preparado estava e tudo havia estudado

O evento no entanto vem como demonstração

Sempre existe um efeito inesperado

 

Como num experimento os ingredientes colocamos

A esperar o sucesso mesmo contando com o fracasso

Eis que o susto invade o laboratório em que estamos

O mestre nos fita percebendo a desdita, ajustando o traço

 

O sentido do susto é benéfico quase sempre

Só não ajuda quando vem pelas costas

Quando assim acontece poder ter paciência, estofo no ventre

O infortúnio chegou, peça ajuda a Deus, não é uma aposta

 

Na luta diária certo susto sim assusta

Oração é remédio sempre antes, durante e depois

Certeza ajuda vem do alto, do lado, de onde se busca

Deus não esquecerá de ti, mas esteja a ele ligado como o hábito de comer arroz.

Todo santo dia.

Quinto Zili

Silêncio, 252

 

Silêncio

Quietude é aliança

Paz na boa conversa

Fonte de temperança

Da turbulência, adversa

 

O silêncio facilita

O mergulho interior

Tranquilidade possibilita

Te encontrar com o superior

 

Mas silêncio só externo

Não resolve tudo não

Precisa aquietar o pensamento

Relaxar a interna tensão

 

O motivo vem de dentro

São coisas de vidas lá de trás

É remoque de outro tempo

Faz barulho, se mantém vivaz

 

Deixa a porta sempre aberta

Para tudo melhor fluir

Porém mantém o aviso de alerta

Pensar no bem para o mal se evadir

Quinto Zili

Luz II, 321

Luz

Acende a luz

O escuro me cega

Me mostra o caminho

Só percebo treva

 

Há muito não vejo luz

Tormenta me levou

Longe eu estou

Tenho na cabeça um capuz

 

Vagando em abismos

Depois de muitos sismos

Alguém me ouvir gritar

Um ser veio me salvar

 

Constrange o arrepender

Me cega agora uma estranha luz

Quem é o ser a me render

Só ouvi uma vez, quem é esse Jesus

Quinto Zili

Superstição, 313

Superstição

Maldades cadentes

Sinas malditas

Objetos ardentes

Crenças esquisitas

 

Rumores, tradições

Pragas, coincidências

Medos e paixões

Mais sinais, menos evidências

 

Tememos coisas obscuras

Respeitamos as crendices

Na dúvida fazemos clausuras

Enquistadas sandices

 

Treze nas sextas

Deus nos livre e guarde

Os santos contra as bestas

Na dúvida não fazemos alarde

Quinto Zili

Libertar, 43

Libertar

Contentamento

Com a vida , as coisas, as pessoas, a natureza

Liberdade

De pensar, de agir, exercitar o corpo, de ser feliz

Cuidar

De quem amamos, dos animais, das plantas, do planeta

Sentir

Fraqueza, força, ânimo, vontade, frio, calor

Olhar

Para longe, para o meu amor, para os meus filhos

Amar

Deus, Jesus, esposa, filhos, pais, irmãos, amigos, inimigos

Hoje

É o que temos para existir sem pensar nos erros do passado e nas dúvidas do amanhã

Ontem

Nos trouxe até aqui, vivos

Amanhã

Vou sonhar um pouco pensando num mundo melhor para todos

Paz

Dentro de mim

Fiquemos com Deus

Quinto Zili

Meu neto

Meu neto

Filho da filha

Do pai que já foi filho

Do avô que já foi pai

Família é causa que não se esvai

 

Verdadeiro legado

Quando a moral prevalece

O ente que vem para ser amado

O ser que chega envolto em prece

 

Seja resgatante ou missionário

O que importa é amá-lo

Ensiná-lo o relicário do amor

Com que aliviar dos outros a dor

 

Meu neto, não de verdade meu

De Deus Pai sim um filho

Mais, meu irmão de jornada

Que seus pais cuidarão com mão amada

 

Filho de minha filha querida

A quem rogo proteção todos dias

Que esta se estenda agora sem medida

Ao lar completo que se formará nesta vida

 

Trazido ontem o Gabriel à nossa presença

Não importa qual lhe será a crença

Só a Deus prestará contas em consciência

Chegou meu neto, nosso irmão de vivência

Quinto Zili

 

Evoluir, 372

Evoluir

Sem questão de dúvida

Somos e estamos aqui

Para evoluir e progredir

 

Quem somos

De onde viemos

Para onde vamos

 

Não importa saber

Somos o que somos

Deus nos guia o viver

 

Vida rica de tudo

Sentimentos e haveres

E temos ainda os prazeres

 

De que mais precisamos

Só nos falta aceitar

O próximo amar e nos amarmos

Quinto Zili

Liberdade, 393

Liberdade

Apurada a visão

Noção melhorada

Percepção elevada

Eis a questão

 

Do fundo da alma

Ao fulcro da mente no pensar ativo

Quer seja tua consciência

Quer seja do inconsciente coletivo

 

Almejada liberdade

Tolerada preguiça

A vida cortejada

Indevida cobiça

 

Fugir da obrigação

Correr da maior verdade

Tudo é tentação

Ilusão do querer liberdade

 

Nem morrer te libertará

Ao renascer falsa prisão terá

Condição de escolha sempre nos foi dada

Não há cárcere, grilhão, nem nada

 

Punir-se por tudo, a questão em si

O que deves é o mal que fizeste a ti e outros sem exceção

E o bem que deixaste de fazer aos outros e a ti

Liberdade é estado de espírito do ser em evolução

Quinto Zili

Simples, 11

 

Simples

Simplicidade no viver.

A vida se complica facilmente. Temos o dom de fazer assim. Os excessos de toda ordem e a abundância de alternativas nos deixam na maior parte da vida em situação de desvantagem.

Contraste, mas é assim que acontece.

E todos os dias pedimos mais. Se não conseguimos acumular não teve valor. Tem que sobrar para ser melhor ou para ser vantajoso. O sentido vantagem é crônico em nossas vidas.

E acaba faltando tempo e então reclamamos da ausência de paz. Mas buscamos essa querida amiga fora de nós e nas coisas, menos dentro de nós.

Em tudo temos tanto e quanto; e mais, é cada vez menos.

Intensidade material, visual, sensorial e toda a abundância pede uma contrapartida. Sofrer.

O simples é muito mais difícil. Demora a ser descoberto. Não é fácil. Afinal leva-se uma vida para entendê-lo, mesmo sendo ele o outro lado ou simplesmente o oposto de tudo a todo momento.

Nem chegamos ainda no sentido humilde do simples. Esse, ainda, um pouco mais difícil de entender.

Quinto Zili

Transporte, 255

Transporte

Te levar bem longe

Ou só daqui até ali perto

Pode ser de velho bonde

Ou bólido caro decerto

 

Rico ou pobre necessita

Sem transporte não se fica

Uso público ou particular

Coletivo ou individual usar

 

Esses meios que conhecemos

Pela terra ou pelo ar

São os que concebemos

Por enquanto a nos levar

 

Mas haverá um tempo chegar

Como se diz em ficção

Daqui pra li me transportar

Sem veículo algum me levar

 

Do passado até hoje enfim

Nunca se viu mas já se falou

Teletransporte será possível sim

A tecnologia que vemos só começou

Quinto Zili

Secas, 238

Secas

Amargas águas das secas

Mal refrescam a alma quente

Que mostram meu solo em gretas

Abertas em sulcos do meu ventre

 

O céu é tão azul e lindo olhar

O solo tão feio, só tristeza

Água parou de cair, escoar

Poeira é mato, secura avareza

 

Para tudo mudar nem chorar resolve

Aqui é catinga, aqui é sofrência

Não tem despertar, nem Tatu se move

Vida parada, acabou a existência

 

Meus Deus onde está, por misericórdia

Sou seu filho também, calango sofrido

Até o choro secou, viola sem corda

Meu cerrado virou deserto, enfeiou o colorido

 

Minha Nossa Senhora

Faz chorar aí o céu por amor

Só assim essa seca vai embora

Refrescar um pouco esse enorme calor

Quinto Zili

 

Paciência, 239

Paciência

Na paz e na ciência

Na ciência da paz

Na plena consciência

Atitude que apraz

 

Calma no ouvir

Humildade no olhar

Tranquilo sem ferir

Bondade no falar

 

Paciência é meio e fim

Tentar é caminho a seguir

Ousar se contestar enfim

Poder o orgulho ferir

 

Ouça a mais

Até ficar rouco

Sê paciente e calai

Amolece o coração só mais um pouco

 

Se achou que ainda é vago

Ser paciente é não ser orgulhoso

Amar a própria voz, grosseiro afago

Apreciar a do outro, respeito zeloso

Quinto Zili

Faca, 227

Faca

Corta

Mata

Ponta

Punhal ataca

 

Fere

Desfere

Confere

Que em tua mão se altere

 

Usada indevida

Com maldade

Retira a vida

Com atrocidade

 

Passado foi rainha

Nas mão do autor

Feriu, matou; daninha

Fez terror com tutor

 

Hoje é menos visada

Violência adotou outros meios

Ainda corta, mata menos irada

Hoje outras armas, bestas sem freios

Quinto Zili

Ondas do amor, 82

Ondas do amor

Como podemos pedir para alguém nos livrar dos nossos pecados se somos nós que os cometemos por livre e espontânea vontade.

A mansidão de quem perdoa não liberta o outro, pecador. Ameniza a paga sim porque sem o perdão da vítima ainda seria pior ao pecador. Lidar com o principal interessado em possível desforra que viraria obsessão da boa.

Gravosas relações do dia a dia hoje quase sempre são sequelas do passado. Ausência do perdão de lado a lado ontem mantendo tensões e contatos difíceis hoje.

Quando um ser perdoa outro abre-se uma reversão de corrente negativa no cosmo como dominós a derrubar outros numa sequência positiva até ser barrado de novo por um coração duro não disposto a entender o benefício da corrente do bem. Mas ainda assim haverá outros perdões a disparar essas mesmas ondas do amor.

Quinto Zili

Moral, 388

Moral

As leis humanas

Versus as leis naturais

Essas, plenas e totais

Aquelas, mundanas

 

Nada de errado com nossas leis

Seriam justas se iguais para todos

Quanto mais assim tenhamos

Mais de Deus perto chegamos

 

Civilização ainda não é prova

Também não só evolução tecnológica

É da moral que o Cristo nos fala

Pouco ainda do espírito nos cala

 

Religiões várias

Explosões de fé

Às vezes parece damos ré

De tão falhas nossas intenções primárias

 

Queremos muito

Doamos pouco

Pouca caridade sincera

Ainda o bem, só quimera

Quinto Zili