Liberdade

Portas abertas
Deixaram flancos no passado
Como o ser questionado
Julgar das mazelas encobertas
 
Transparece aqui nosso ser
O carvão virou cristal
Alma virou espírito como tal
Aflora o eu do agora ver
 
Descoberta a verdadeira vida
Que não se via simplesmente
Os destroços da alma recolhida
 
Liberdade antes que tardia
Que aprisionou o renitente
Agora a consciência que o alivia
 
A.Q.


651

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s