Apelo

Apelo

Insisto com esse meu apelo

Já há muito lhes faço

Para mim tem sido um pesadelo

Podem crer no meu embaraço

 

É recorrente e digno

Qualquer pedinte o faz

Meu apelo é benigno

Mormente daqui onde se jaz

 

Só uma prece

Uma lembrança pela minha alma

Nada mais me aquece

Fiquei perdido, me findei sem calma

 

E como eu há muitos semelhantes

Parentes, amigos, conhecidos

Apelo por todos cambaleantes

Somos irmãos, não frutos desconhecidos

 

O amor acende uma luz

Mesmo à distância se produz

Um jorro de esperança a quem se conduz

Elo distante até reencontrar Jesus

Quinto Zili

557

Prece do caído, 638

Prece do caído

Contigo me deito

Contigo  me levanto

Mestre divino e perfeito

Acolhe por amor esse meu pranto

 

Me sinto caído

Doído, sofrido

Me ajuda a reerguer

Mais uma vez reviver

 

Sei de minha culpa

Falhei feio de novo

Nem sei se mereço

De ti este apreço

 

Na carne falhamos

Ainda que lá buscamos

Livramento de pecados

De nossos erros gravados

 

Expiação e restrição

Falhar e refazer

Mestre me ajuda a compreensão

Que é meu este dever

 

Eu sei que consigo crescer

Mesmo neste sofrer que eu mesmo me fiz merecer

Rogo de novo que renove sempre o meu querer

A cada dia um pouco mais; Pai me faz assim crer

Quinto Zili