Secas, 238

Secas

Amargas águas das secas

Mal refrescam a alma quente

Que mostram meu solo em gretas

Abertas em sulcos do meu ventre

 

O céu é tão azul e lindo olhar

O solo tão feio, só tristeza

Água parou de cair, escoar

Poeira é mato, secura avareza

 

Para tudo mudar nem chorar resolve

Aqui é catinga, aqui é sofrência

Não tem despertar, nem Tatu se move

Vida parada, acabou a existência

 

Meus Deus onde está, por misericórdia

Sou seu filho também, calango sofrido

Até o choro secou, viola sem corda

Meu cerrado virou deserto, enfeiou o colorido

 

Minha Nossa Senhora

Faz chorar aí o céu por amor

Só assim essa seca vai embora

Refrescar um pouco esse enorme calor

Quinto Zili

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s