Espelho, 254

Espelho

Melhor espelho que nossa vida

Que retrata a alma de um todo

Formato e essência atribuída

Nos mostra tudo sem engodo

 

Nossa maior dificuldade

Enxergar o tal espelho

Fugimos dele na verdade

Atentos esguiar do real conselho

 

Vemos tudo que está no entorno

Sem perceber no entanto o detalhe

Que o espelho só mostra o contorno

O conteúdo nos cabe o entalhe

 

Somos o reflexo de tudo um pouco

Pois que a vida é o espelho verdadeiro

Todo o irmão enxerga o que temos de louco

Cada um de nós é um médico obreiro

 

Só ver nos outros os defeitos extremos

É não entender onde o espelho descansa

Não é só na parede onde julgamos o vemos

Mas no limite donde a alma o ver alcança

Quinto Zili

Secas, 238

Secas

Amargas águas das secas

Mal refrescam a alma quente

Que mostram meu solo em gretas

Abertas em sulcos do meu ventre

 

O céu é tão azul e lindo olhar

O solo tão feio, só tristeza

Água parou de cair, escoar

Poeira é mato, secura avareza

 

Para tudo mudar nem chorar resolve

Aqui é catinga, aqui é sofrência

Não tem despertar, nem Tatu se move

Vida parada, acabou a existência

 

Meus Deus onde está, por misericórdia

Sou seu filho também, calango sofrido

Até o choro secou, viola sem corda

Meu cerrado virou deserto, enfeiou o colorido

 

Minha Nossa Senhora

Faz chorar aí o céu por amor

Só assim essa seca vai embora

Refrescar um pouco esse enorme calor

Quinto Zili