Limites, 189

Limites

Poder tudo pode; mas incomoda

Não há fronteira incalculável

Nem a morte como última poda

Do limite eterno imensurável

 

Ilimitado em Deus repousa todo quê

Quem cria sabe até onde vai

O que se sabe, quem mesmo Nele não crê

Desejam e temem o que os atrai

 

Na atração ao que se desconhece

Reside todo o imenso conhecer

Mesmo do novo que se evanesce

O farto repasto do se envolver

 

Sem desmerecer o desconhecido

Até o medo é teu parceiro

Oportunidades são o bem merecido

Deus nos concede o livre arbítrio derradeiro

 

Quais são os limites que se admitem

Os do próximo com certeza

Tolera, resiste ainda que teus olhos evitem

Aceita de Jesus as verdades da ceia à mesa

Quinto Zili