Costumes, 244

Costumes 

O hábito faz o monge

Ditos, provérbios, costumes à tona

Andando se vai ao longe

Quem tem boca vai a Roma

 

Para ser feliz não precisa muito

Para muitos basta pouco, só o dinheiro

Para poucos só o amor como intuito

Para a maioria falta tudo, o tempo inteiro

 

Hábito se cria como o acontecer

Força se espalha ao envolver da alma

Quando ela mergulha no rio do saber

Que a leva fora dos costumes com calma

 

Alvoroço da descoberta

Os costumes bloqueavam tudo

Criou-se o caos na mente aberta

Abriu-se o lacre, novo conteúdo

 

Afinal porque toda essa mudança

Sem mudar não se descobre

O que vale é a alternância

Pois que um rico um dia vira pobre

Quinto Zili

Amores, 531

Amores

Entre campos e pastos

Nos planaltos e serras

Sem limites e vastos

Até mesmo nas guerras

 

Onde se plante o olhar

Sempre encontraremos flores

Às vezes como pedras raras

Nos revelam veios de amores

 

Homens garimpam em minas profundas

Buscando as riquezas materiais

Como seriam se nas lavras imundas

Só procurassem os bens espirituais

 

As pepitas sempre são encontradas

Não importa onde sejam buscadas

Os amores são como tais

Riquezas superiores, mais colossais

 

Esqueçamos os rancores

Plantemos alianças e compreensão

Colheremos muitos amores

Além das belas flores de Deus a paixão

Quinto Zili

Companhia, 532

Companhia

Que bom, você está aí

Me lendo

Olhando palavra por palavra

Me absorvendo

 

Agora, neste exato momento

Sou tua companhia

Você me escolheu por que quis

Não vire a página ainda, só por um triz

 

Escuta, vamos conversar

Só por um pouco

Estou sozinho também

Não dão por mim um vintém

 

Pois é , você e eu agora estamos em  companhia

E já que é assim, é bom que saiba

Sou bem como você, enquanto me lia

Me entendeu e vi teu sorriso  e empatia

 

Então, resumindo, já que me leu

Agora me compreendeu

Virou meu amigo, se atreveu

Me despeço, te digo, esse poema é teu

Quinto Zili

 

Tudo ll, 405

Tudo II

Ainda que nada falte

Mesmo que de nada se esqueça

A vida cá neste planeta

Pode só passar de leve esmalte

 

Vida plena material

Pouco fala da moral

De que vale ter-se tudo nela

Falo daquilo que não é querela

 

Digo do ser não de carne

Sem a veste após desencarne

Tudo que parecia ser alguém

Mal cai em si ao ver-se no além

 

Num átimo tudo vira nada

O vazio se expande

Pode parecer só um buraco fundo

E se ver de repente um pobre imundo

 

Todo mundo é igual

Tudo e todos ao natural

A desigualdade que se vê na vida material

Se revela outra e se nivela na vida espiritual

Quinto Zili

 

 

 

Tempo e amor, 4

Tempo e amor.

Dois campos da vida.

Um existente em abundância e o outro só existe em nós quando queremos que ele exista.

Tempo e amor convivem conosco mas só se quisermos.  Um faz e o outro leva. Um fica só se o outro deixar.

Não nos falta nenhum, mas um só existe se o outro permitir.

O amor pode levar todo o tempo do mundo para dominar nossas existências e o tempo sem amor é como faltar o ar para respirar.

Mas por assim acontecer só sobreviverá nosso espírito que acordará para a luz quando o tempo chegar e o amor deixar.

Quinto Zili

Escolhas, 186

Escolhas

O céu escolhe o mar no horizonte

As estrelas escolhem o céu no infinito

Nossos pés escolhem o chão rasante

Nossa mente o saber, o mais bonito

 

Criança prefere a mãe logo que nasce

A mãe dá leite ao filho, do próprio peito

Pai e mãe se escolhem e vem o enlace

Família monta a casa do seu jeito

 

A gente escolhe um deus que imaginamos

No bem um velhinho como um Noel

No mal um bruto com quem nos estranhamos

E a vida nos mostra o real sem o véu

 

Que Deus, o Único, também te escolheu

Te criou e Te deu todas as oportunidades

Escolhestes umas boas, outras nem mexeu

Recolhe os bons frutos e deixa as maldades

 

Acolhe e não escolhe de agora em diante

Faz o que o Cristo deixou em exemplo

Não perdes mais tempo ficando distante

Melhor das escolhas, o amor como templo

Quinto Zili

Sujeira, 261

Sujeira

A Mãe Natureza reclama

O Pai Moral nos reprova

Sujeira material se derrama

Lixo mental nos estorva

 

Tudo isso é o que fazemos

Por nossas mãos e almas mesmas

Sem limites do que podemos

Ruir e alcançar situações extremas

 

Quase sem retorno na destruição da Terra

Abalo moral não tem ficado pra traz

É certo que hoje somos melhores e menos guerras

Porém batalhas muito que hoje se faz

 

Muitas chagas expostas no claro e no escuro

As feridas abertas vão se purgando

Um mar de sofrer, violência e ódio puro

Mãe Natureza e Pai Celestial só observando

 

Nosso arbítrio é nossa lei contra o lixo

Sujeira são cavacos da forja do ser

Poluímos a Terra com largo capricho

Nossas almas se depuram no próprio crescer

Quinto Zili

 

Tontices, 381

Tontices

Quando se tem pouco a fazer

Vagos pensamentos

Falsos sonhos se ter

Aviltamentos

 

Descuidos, desleixos em pilha

Formam a armadilha

Cuidado, há perigo no ar

Na curva poderás capotar

 

Nossas tontices são muitas

Qualquer relaxar

Total descuidar

Ameaças fortuitas

 

Forçar a melhor conduta

Parece piegas

Mas se resoluta

Assim não te entregas

Quinto Zili

Gentileza, 384

Gentileza

Homem das cavernas

Constantes ameaças

Medo lhe corria as pernas

Natureza só lhe trazia trapaças

 

Milhares de anos a finco

Passado longínquo

Lar e família eram distantes

Pouco do hoje havia no antes

 

Percebeu o ser um dia

Depois de muita dureza

Habilidade quase não se via

Agir por impulso de uma gentileza

 

Noutro dia nasceu como sutileza

Descobriu um valor novo

Um gesto foi assumido entre o povo

Se tornou hábito traduzindo pureza

 

Hoje temos mais dessa atitude

Que convidam as relações à gentileza

Muitos a servem com cuidado amiúde

Nem todos entendem sua beleza com certeza

Quinto Zili

Nada mesmo, 120

Nada mesmo

Às vezes nos percebemos como imperceptíveis seres no universo. Olhamos o céu à noite e enxergamos uma imensidão de escuro pilhado de outros mundos e vem uma noção de insignificância , de pequenez , de um não ser nada. Nada mesmo. Um nada no meio de um tudo.

Isso porque ainda achamos que o único planeta habitado e com gente inteligente é a Terra.

E quando pensamos na vastidão dos mundos também vem essa sensação  de atraso no tempo. Ainda matamos para comer. Matamos também por ódio e por vingança. Produzimos guerras. O único planeta habitado no universo destrói  sua própria natureza para sobreviver. Quanta demonstração de inteligência… Que adianta a filosofia sobre as galáxias se estamos acabando com a própria água e onde crianças morrem de fome e pela violência.

Nada mesmo. Somos nada e ainda nos falta humildade para reconhecer.

Mas temos solução e salvação. A consciência nos trará o caminho e devemos educar nossos filhos para isso. E tudo mudará. A única verdade.

Quinto Zili

 

 

Nada, 112

Nada

Ao universo estelar lançamos olhar profundo

Ou ao fundo  de nosso corpo mergulhamos

Tentamos entender todo esse vasto mundo

Buscamos compreender como funcionamos

 

Tudo está de frente à nossa cara

Podemos tocar muita coisa até mesmo

No entanto o amor ainda é coisa rara

Porque nada sabemos e falseamos à esmo

 

Queremos ter todas provas na vida

De onde termina o fim do mundo

De onde viemos para essa lida

Mas ainda o nada é mistério fecundo

 

Certeza só há mesmo de morrer todo dia

Nascer, renascer é tarefa diária

Entendermos o todo, prova que irradia

Nada saber de outras vidas na teia planetária

 

Tudo ou nada é dilema eterno

Saber o não saber eis a questão

Só o que é certo é que sem amor fraterno

Longe de Deus estaremos então

Quinto Zili

Haveres, 436

Haveres

Escrituras

Objetos

Dinheiros

Haveres

 

Seres que os acumulam em abundância

Tédio e intolerância

Preocupação do ter

Esquecimento do ser

 

Haveres materiais

Sem dúvida importantes

Mas o quanto necessário

Um porquê lendário

 

Quem os tem e se apega

O mesmo quem não os tem e não os nega

Sofre quem tem muito mas quer mais

Pena quem tem pouco e luta demais

 

Haveres e só prazeres de quantidade

Mundana concepção

Inverso da caridade como qualidade

Único caminho da salvação

Quinto Zili

Se, Mas, 435

Se, Mas

Aquilo que não deu certo

Que mudou sem direção

Avisado foi ao esperto

Alterou-se o então

 

Se tivesse acertado parelho

Se fosse feito de outro jeito

Pudesse ter seguido o conselho

O resultado fosse melhor proveito

 

O Se e o Mas,  por vezes, são dementais

Condições externas desleais

Um tanto artificiais

Que nos impomos demais

 

Nota que para tudo temos um Se

Percebe que também exigimos o Mas blasé

Quando não achamos desculpas boas

Fácil colocarmos os pés em duas canoas

 

Duvidar é bom, faz bem

Melhor seria só contestar o mal

Fugir dele quando se disfarça de bem

Quando o Se é útil para enxergar além

Quinto Zili

 

Chuva, 401

Chuva 

Molhada de água

De neve ou de granizo

Tempestades

Ou chuvisco improviso

 

Então não se sabe

Quando vem ou vai

Mas há quem estude

Poder antecipar, uai

 

A chuva traz de volta frio

A água evaporada que já foi chovida

Tudo que no tempo se transforma em rio

Nossa existência enriquecida

 

Esse fenômeno da natureza

Nos salva de tragédias fatais

Secas e desertos só seriam

Cidades que hoje morais

Quinto Zili

Diabo, 423

Diabo

Pior fantasia do homem

Alegoria da destruição

Que o ser humano veste

Quanto e quando quer parecer a peste

 

Pintam o diabo de vermelho

Quem ele é, o macabro

Onde mora e tal

Longe da casa moral

 

Fetiches e basbaques

Ignóbeis retoques

Quanto mais o retratam

Menos se faz destruí-lo

 

No fundo é o mal

Fantasiado de tudo

Passa por bom, por amigo

Deixa o rastro sempre de perigo

 

Espanta crianças, moços e velhos

Existe forte em nossa imaginação

Como figura e ser nada é

Mas como possibilidade é tudo até

 

Se o diabo fosse só o que pintamos

O bem já o teria vencido

É pior, mais forte, pelo fel movido

Feito do mal que nós mesmos praticamos

Quinto Zili

Bem-te-vi, 434

 

Bem-te-vi

 

Passarada

Amanhecer

Cantos

Acordar e crer

 

Bem-te-vi

Bem-te-vi

Também canários

Outros cantos ouvi

 

É a natureza que vive

Acordando o homem

Todo dia se repetindo

Incansável, como é lindo

 

Bem-te-vi, Bem-te-vi

Todos os dia estamos aqui

Assim Deus nos chama à vida crer

Com música e um Sol para cada ser

 

E a luz sempre é trazida

Há os cheiros de mato e vida

Contemplar é grande oportunidade

De sentirmos o Pai em nossa identidade

Quinto Zili

 

Segurança, 245

Segurança

Respira fundo

Pede paz

Pede o mundo

O universo traz

 

Conspira a teu favor

O que focas na respiração

Te traz o bem, não a dor

Te faz melhor em inspiração

 

Inspira saúde entrar

Expira doença sair

Mentaliza paz encontrar

Mentaliza o medo expelir

 

Foco, desejo e meditação

Amizade, segurança e amor

Sentindo plenitude e compaixão

Afastando orgulho e a dor

Quinto Zili