Carga

Não é o peso nem o cilício

O tamanho dela

Nem o suplício

Mas como suportamos ela

 

A cada um de nós

Segundo suas obras

Carga revela atroz

Do nosso passado as manobras

 

Nada de injustiça

Nenhuma coisa errada

Tudo tem dobradiça

Depois de aberta, terá que ser fechada

 

Vai e volta

Prende e solta

Não é olho por olho, nem dente por dente

É misericórdia divina, que jamais se desmente

 

Nada se nos retira

Do pouco que não se tem

Deus é quem põe e tira

De tudo que nos convém

 

Somos passageiros e motoristas

De nossa própria jornada

Depende de qual tipo de conquistas

Se a carga será mais ou menos pesada

Quinto Zili

981

Aquilo

Esse ou aquele

Isso ou aquilo

Aquilo outro

Diferente daquilo

Encontrado noutro

Qualquer daqueles

Nosso ou deles

Doutra ou doutro

 

Qual é

Quais são

Essas coisas

Ou aquelas

Todas elas

Nossas ou delas

Delas e deles

Neles ou nelas

 

Aquilo era meu

Não era teu

Me deu

Me escolheu

Então chega

De discussão

Muita fala

Pouca ação

M. F.

930

Espelho, 254

Espelho

Melhor espelho que nossa vida

Que retrata a alma de um todo

Formato e essência atribuída

Nos mostra tudo sem engodo

 

Nossa maior dificuldade

Enxergar o tal espelho

Fugimos dele na verdade

Atentos esguiar do real conselho

 

Vemos tudo que está no entorno

Sem perceber no entanto o detalhe

Que o espelho só mostra o contorno

O conteúdo nos cabe o entalhe

 

Somos o reflexo de tudo um pouco

Pois que a vida é o espelho verdadeiro

Todo o irmão enxerga o que temos de louco

Cada um de nós é um médico obreiro

 

Só ver nos outros os defeitos extremos

É não entender onde o espelho descansa

Não é só na parede onde julgamos o vemos

Mas no limite donde a alma o ver alcança

Quinto Zili

Moral, 388

Moral

As leis humanas

Versus as leis naturais

Essas, plenas e totais

Aquelas, mundanas

 

Nada de errado com nossas leis

Seriam justas se iguais para todos

Quanto mais assim tenhamos

Mais de Deus perto chegamos

 

Civilização ainda não é prova

Também não só evolução tecnológica

É da moral que o Cristo nos fala

Pouco ainda do espírito nos cala

 

Religiões várias

Explosões de fé

Às vezes parece damos ré

De tão falhas nossas intenções primárias

 

Queremos muito

Doamos pouco

Pouca caridade sincera

Ainda o bem, só quimera

Quinto Zili

Bússolas, 78

Bússolas

Rumos e caminhos traçados no passado são as nossas genuínas bússolas.

Nos guiamos verdadeiramente por aquilo que planejamos e pela condução via inspiração de nossos guias e os bons amigos espirituais. Nos encontramos em condição privilegiada. Nosso livre arbítrio no entanto, sim, pode quebrar a bússola e ela ainda assim nos será trazida a tempo e após conserto nos será oferecida mais uma vez para nossa redenção e por misericórdia divina. Tudo isso até mesmo numa mesma encarnação. E é o que bastante acontece.

Nossos instintos, fortes aliados da sobrevivência, hoje em dia já são superados pelo bom senso e pela inteligência emocional aplicada à fé. Esta funciona como o azeite da lamparina velha, sempre pronta a ser usada quando falham os modernos circuitos das luzes da atualidade.

Não seremos os apóstolos de Cristo Jesus tão cedo, por óbvio, mas há quem já se esteja aventurando às mandíbulas dos leões em pequenos coliseus íntimos provando suas mais benditas obras no caminho do Mestre.

Salvem os Discípulos.

Quinto Zili