Dinheiro

O que falta à muita gente

Quase o lugar comum

O quadro abrangente

Às vezes sobra a outro ou um

 

Dinheiro é essencial

Para a maioria

Nesta vida material

O papel pintado da alegria

 

Vindo do trabalho é conquista

Justo e sem prejuízo de ninguém

E porque Jesus não o põe no topo da lista

Sua fortuna é o amor, não o valor do vintém

 

Dinheiro não traz felicidade

Nem a compra, nem dela nos aproxima

Dar do que não sobra é prova de caridade

E a sua falta é expiação que ensina

 

Só é bom o recurso que circula

Seu acúmulo é como água parada

No fim dá bicho, mata e anula

No plano espiritual dinheiro não vale nada

Quinto Zili

1166

Folia

Quanta alegria

É carnaval

Quanta folia

Multidões brincam no plano carnal

 

Será que tem também no céu

Quem sabe dizer

Como se levanta o véu

É difícil de conceber

 

Tudo é padrão vibratório

Onde o espírito não é transitório

Parcial é a vida carnal

Por isso na Terra tem carnaval

 

Não há comparações

Nem semelhanças

Há alegria e tristezas em vibrações

Sintonias determinam alianças

 

Há quem goste do carnaval

Mas há outro tanto que não faz questão

Também não é luta do bem e do mal

No mais é não esquecer o ensinamento cristão

Quinto Zili

1160

Pati

Hoje é festa no coração da amada

Minha querida, meu amor

Mais um ano juntos na jornada

Os espinhos só protegem a flor

 

Você é minha poesia

A que eu não preciso escrever

É a minha doce teimosia

Meu coração bate ao teu perceber

 

Felicidades minha Pati linda

Vamos juntos continuar

Com nossa Francesca bem-vinda

Para nos atestar o maior amar

 

Te quero muito feliz

Não só hoje mas sempre

Somos um do outro aprendiz

Deus te abençoe o ser contente

 

 

Silêncio

A máxima é que é uma prece

Que por esforço se estabelece

Placas avisando e tudo mais

Por vezes ter que se pedir aos demais

 

Em tumultos não tem como

Só se o silêncio for interior

Que é hábito difícil no extremo

Não embarcar a mente no mundo exterior

 

Não é fácil para a maioria

Silêncio é como o ar que se respira

Não pode faltar a ninguém

Tampouco ser privilégio de alguém

Quinto Zili

1150

Guilherme

Oi Gui, querido filhão

Hoje é dia de tua comemoração

Dia de celebrar

Do teu nascer despertar

 

A vida te trouxe a nós

Teus pais em família

Recebemos teu sorriso e simpatia

Teu olhar azul de príncipe que desafia

 

É um trabalhador fiel

Um guerreiro de muitas  batalhas

Para mim um Guilherme Tell

Sincero, íntegro e honesto, no mundo de almas falhas

 

Parabéns filho amado

Por este e todos anos anteriores

Desculpa o pai por ser tão calado

Que te ama quieto e sente tuas dores

 

Continua na busca do amor

O verdadeiro e o inteiro

Amar também é conhecer a dor

Na vida nem tudo é passageiro

 

Cuida do corpo e da alma

Ouve teu espírito contigo falar

Até a ansiedade encontra a calma

Mazal Tov, quero te desejar

Pai

 

Rua

O bom endereço

De uma boa casa

Mas pode ser só um destino

De quem não vive e a vida arrasa

 

Sendo rico ou sendo pobre

Cada qual tem sua rua

Com teto ou mal se cobre

Vida doce ou nua e crua

 

É o próprio universo

Por onde passa muita gente

A rua é do poema o verso

Rima da vida o lar ausente

 

Mesmo escura a rua acolhe

No fim para muitos vira solução

Sem saber do mundo ela recolhe

Quem perdeu tudo, inclusive a ilusão

Quinto Zili

1146