Poucos

Na bondade

No bom coração

Na boa intenção

Na caridade

 

São poucos

Contam-se

Tidos como loucos

Doam-se

 

Caminha a humanidade

Pelos vícios à larga porta

Longe da porta estreita da humildade

Moral ainda torta

 

Mas chegaremos lá um dia

Como parecendo alquimia

Não necessários muitos tiros

Só a eficiência de um bom vírus

Quinto Zili

1192

 

 

 

 

 

 

Vírus

Ainda que do mal pareça

Tem seu lugar devido

Na natureza nada que aconteça

Foge do divino ideal perseguido

 

Um vírus não é diferente

Mutações são evoluções

Os seres em adaptações

Seguem padrão exigente

 

Os porquês são infinitos

Não entendemos a dinâmica ínsita

É mister de superiores conflitos

São ajustes da balança intrínseca

 

E tudo se dá para o bem

Nada disso é obra do mal

A colheita não libera ninguém

Vírus é meio, não o vilão letal

 

Os vírus nos corpos materiais

Morrem por anticorpos ou antivirais

Os vírus da alma de nós mortais

Não se curam com antialmas, só com reformas morais

Quinto Zili

1185

O Bom Conselho

Veio ao meu encontro

Se fez presente

Um tanto insistente

Mas eu não estava pronto

 

Por mim mesmo talvez

Me impediam o orgulho e a vaidade

Ainda não enxergava a verdade

Não o ouvia e não lhe dava a vez

 

E o Bom Conselho não desistia

Insistia

Quase todo dia

Porque eu  fingisse que ele não existia

 

E então aconteceu

O Bom Conselho desapareceu

Eu não entendi mais nada

Pensei; assim é a quem Deus desagrada

 

Nada disso porém

Na verdade fui eu que morri

Fechei um dia os olhos e não mais abri

Só acordei muito tempo depois no além

 

Vaguei, vaguei e vaguei

E quando acordei havia só escuridão

Rezei, rezei e então implorei

Gritei com todas as forças do meu pulmão

 

Senti por fim alguém se aproximar

Tocou minha face chorosa e sofrida

Abriu meus olhos para que pudesse enxergar

Estava ali o Bom Conselho, de novo a me mostrar a vida

Quinto Zili

1180