Vírus

Ainda que do mal pareça

Tem seu lugar devido

Na natureza nada que aconteça

Foge do divino ideal perseguido

 

Um vírus não é diferente

Mutações são evoluções

Os seres em adaptações

Seguem padrão exigente

 

Os porquês são infinitos

Não entendemos a dinâmica ínsita

É mister de superiores conflitos

São ajustes da balança intrínseca

 

E tudo se dá para o bem

Nada disso é obra do mal

A colheita não libera ninguém

Vírus é meio, não o vilão letal

 

Os vírus nos corpos materiais

Morrem por anticorpos ou antivirais

Os vírus da alma de nós mortais

Não se curam com antialmas, só com reformas morais

Quinto Zili

1185