Robô

Robô

Num sonho recente, um devir

Eu o vi até chorando

Estava se comunicando

Era um robô que parecia sentir

 

Não há mais limites

Tecnologia avançou fronteiras

Não se usam mais rebites

Tudo será diferente quanto queiras

 

O ser humano que conviverá

Com seres artificiais

Com inteligências tais

Que também o perseguirá

 

Não há no entanto o que temer

Exceto pelos continuados erros

Robôs não terão sentimentos reais como temos

Nem espírito, lembremos

 

É matéria transformada e tal

Inteligência artificial material

Sem alma nem carga moral

Coisa que muito terrestre ainda cuida mal

Quinto Zili

551

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s