Simples, 621

Simples

Todo estudo em andamento

Farto e dedicado

Uso da mente

Clarear do conhecimento

 

Dá trabalho fazer

Pesquisar a fundo

Meses e anos às vezes

Controlar resultados revezes

 

Começar complexo e intrincado

Distinguir teses de realidades

Hipóteses caem ou viram verdades

Intuição vem como recado

 

Depois da transpiração

Benvinda a inspiração

Resulta  o simples como solução

Para criar o óbvio à população

 

São assim os inventos

As descobertas viram até luxo

Tornam a vida mais simples

Embora o caminho seja árduo fluxo

 

Simples vale lembrar como é o bem

É o que se opera pelo amor

Como a providência da caridade

Como tudo de valor na vida em verdade

Quinto Zili

Doce, 624

Doce

Como a mão de uma mãe

Sua voz e seu colo

Como bendito fosse

Aquele seu olhar doce

 

Carinho e compreensão

De sobra, de montão

Dedicação e desprender

Seu abraço querido do acolher

 

A mim e a todos nós

Sente-se falta delas

Singela, doce mãe e sua voz

Tudo nos representam, que belas

 

Até seu grito doce era

Quem não levou um relho da fera

Que tudo fazia pela sua cria

Até mesmo o que não queria

 

É doce como a natureza

Sensata e paciente

Onipresente

Nos escuta os sentimentos e a tristeza

 

Minha e tua doce mãe

Nossas doces candeias

Nos deram a luz

São a mão em nossa cabeça como Jesus

Quinto Zili

Gratidão, 471

Gratidão

A minha mão, se toca a sua

Se meus olhos cruzam com os seus

Nossos sentimentos se misturam

Os pensamentos se encontrarão

 

A figura se formará uma só

Um conjunto se estabelecendo

No mesmo diapasão

Uma canção harmoniosa acontecendo

 

Quando gratidão nos inunda

O corpo e a alma transpiram

Exalando um suor de amor

A dor que se sentia perdeu a cor

 

O matiz escuro do sofrer

Migrou, perdeu o tom da amargura

Mágoa escoou e abriu espaço

O ser recriou a aura em fino traço

 

Gratidão abrange todo o ser

Completude maior que o ter

Amplitude dos sentidos que acolhe e bendiz

Entrega no agradecer, o diploma do amor ao aprendiz

Quinto Zili

Nossos pais

Nossos pais

Meus queridos grandes amigos

E seus queridos pais

Quanto tempo se passou

Como eles foram especiais

 

Do mais velho entre nós

Nosso querido Baurú e seu Miranda

Ele nos foi um exemplo de albatroz

Ele dizia enquanto entre nós

Respeitem sua velha, ela quem manda

Tragam o pão da casa com garra

Sejam pais fortes e respeitem a farra

 

Do grande amigo Marcão e seu Jamil

Cuja gargalhada é quase a mesma, digo

Hoje ela soa da garganta do amigo

Seu Jamil olhava e falava como O engenheiro civil

Esteve presente naquela salona na Paulista

Onde juntos estudamos em prol de conquista

Seríamos melhores, esses pais nos diziam como pista

 

E seu José, do nosso querido amigo Goes

Quanto carinho aquele pai dedicou a nós

Seus sanduíches alimentaram nossas famintas almas

Quanta fome naquele quarto da edícula compartilhamos

Quanta vida ali passada enquanto estudamos

Às vezes simplesmente cantávamos para disfarçar

Relaxando, mas suportados por pais a nos amparar

 

Do meu querido pai Octavio

Sei que vocês tem poucas lembranças

Era o mais velho dos pais heranças

Aquele que nos olhava apenas à distância

 

Mas cá entre nós, amigos e hoje pais

Também somos muito do que nossos pais foram

Cada um de nós herdou bons princípios

Que deles nos brotaram como benefícios

 

Rendamos homenagens a nossos amados pais

Lembremos com emoções puras e sinceras

Não se tratam apenas de pobres quimeras

O que nos legaram, caros engenheiros, é concreto demais

Quinto Zili

Pai

Pouco escrevi sobre meu pai

Mas muito guardo de sua lembrança

Moral e a ética que não me trai

Me deixou nobre e cristã  herança

 

Tenho orgulho de seu filho ser

É espírito humilde e de valor

Meu pai deixou em mim um querer

Ser homem de bem, no coração amor

 

Não se foi cedo ou tarde

Seu último suspiro foi leve

Nunca foi de fazer alarde

Sua aura devia ser branca como neve

 

Em mais um dia dos pais

Em que já venho como avô depor

Que todo pai não esqueça de seu filho jamais

Para não ser olvidado quando um dia se for

 

Preces para meu querido pai Octavio

Que esteja por perto da amada Yolanda

Esse querido par de meu querido amor

Me ensinaram a ver na dor também valor

Quinto Zili

Riscos, 242

Riscos

O risco de vida que leva à morte é mais vivo e presente do que percebe a mente no ser.

Morte como passagem, toda a vida no risco de viver.

Se morrer é todo dia um pouco, viver também é o risco de deixar de ser.

Quando a vida é só um risco, a morte não é um traço. Se a vida é só um traço o risco de morte acaba em laço.

Traçar a vida sem risco sem rabiscar a morte.

Quando correr o risco pode ser mais fácil que traçar a vida sem risco sendo forte.

A linha da vida é melhor do que o risco da morte. No traço sem risco falta no ser o norte.

Alinhar a vida sem pensar no risco da morte e traçar no pensamento que o risco de vida é grande comparado com a linha da sorte.

“O traçado da vida é o risco de viver, alinhando o traço do ser sem medo de morrer.“

Quinto Zili

Cansaço, 425

Cansaço

 Por que ele bate tão forte na gente

Às vezes é difícil entender como pode

Tanta madorra

Tanto bode

 

Por principio, se você está em forma

Deveria ter bastante pique

No entanto o que se sente

O corpo apaga sem nenhum clique

 

Excessos provocam cansaço

Falta de atividades também

O corpo bem condicionado

É o que em geral faz  bem

 

Para assim poder ser

É preciso ter vontade

Por que então padecer

Basta a ti mesmo, ter caridade

 

Ajuda teu corpo com mais carinho

Melhor sem vaidade

Pensa que ele mesmo nada resolve sozinho

Cansaço é para quem perdeu a vontade

Quinto Zili

Tempestades, 419

Tempestades

Tempos difíceis quando despenca o céu

Tormentas da natureza sem véu

Arrebatamentos das águas e ventos

Tempestades provocam desalentos

 

De tempos em tempos

Uma catástrofe pode acontecer

Sem preparo adequado

Não se entende o perecer

 

Quando os ventos eclodem

Se vê a fúria da natureza

Tempestade arruína

Tudo que pode extermina

 

A varredura evoca nosso Deus

Porque tantos estão a padecer

Sabedoria e amor que reconstruirá

Reerguem-se cenários, tudo renascerá

 

Como a tempestade moral

Varrem-se preconceitos e demências

Aplacam-se defeitos e más tendências

Soergue-se o ser renovado no amor real

 

Jesus foi a tempestade do bem sobre o mal

Varreu maus pensamentos

Deixou reais ensinamentos

Ao ser humano, ao ser espiritual

Quinto Zili