Acúmulos, 146

Acúmulos

 

Águas passadas até movem moinhos

E a montanha pode ir até Maomé

Se carro de boi manobra sozinho

Crepúsculo é dia com noite até

 

Parece mas não é, nem vale quanto pesa

Fenece ao Sol e padece nas trevas

Se sobra apodrece, se falta te lesa

Saúde é estrita, mas longe te levas

 

Cuidar sem excessos, viver moderado

Poder ter um bem sem contar vintém

Te faz tanto bem sem vício atrelado

 

Sofrer só por ter é acúmulo nefasto

Bem sabe, quem hoje tem, amanhã sem ninguém

Deixar tudo aqui e partir sem um rastro

 

Oh Espírito Sagrado, que sabe de tudo

Liberta teu filho do sono profundo

Acolhe o rebento neste teu lindo mundo

 

Adeus. Não ; até logo

Quinto Zili

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s