Mãos

Os gestos e as práticas

Duros, delicadas

Gentis, ásperas

Carinhosos ou revoltadas

 

Sempre às duplas na urdidura

Mais de um caminho se depura

Uma segura, a outra a seguir

Concordam até no divergir

 

Quando no mesmo foco atuam

Trabalhando juntas suam

Daí saem obras maravilhosas

Artes, segredos, coisas gostosas

 

Mãos que trazem o nascer

Que levam ao morrer

Siamesas de um  mesmo tronco

Semeiam ou matam como gênio ou bronco

 

Curam e transformam

Mas se sujeitam à mente

Daí que o bem ou o mal operam

De quem  age são ou doente

 

Nossas são as mãos de Deus que obram

Tentáculos do Pai que menos nos cobram

Fazem acontecer e com elas o bem se usufruir

Delas, em verdade, só não podemos fugir

Quinto Zili

696