Carga

Não é o peso nem o cilício

O tamanho dela

Nem o suplício

Mas como suportamos ela

 

A cada um de nós

Segundo suas obras

Carga revela atroz

Do nosso passado as manobras

 

Nada de injustiça

Nenhuma coisa errada

Tudo tem dobradiça

Depois de aberta, terá que ser fechada

 

Vai e volta

Prende e solta

Não é olho por olho, nem dente por dente

É misericórdia divina, que jamais se desmente

 

Nada se nos retira

Do pouco que não se tem

Deus é quem põe e tira

De tudo que nos convém

 

Somos passageiros e motoristas

De nossa própria jornada

Depende de qual tipo de conquistas

Se a carga será mais ou menos pesada

Quinto Zili

981