Dia das Mães

Dia das Mães

Não sei se mãe já fui uma vez

Quem sabe nalguma encarnação

Mas se fui, obra de Deus me fez

E hoje aqui sou homem em ação

 

Nos lembrássemos de outras vidas

Que experiências iríamos encontrar

Seriam graças ou memórias sofridas

O véu do esquecer é dádiva do amar

 

No Dia das Mães quem se lembra se comove

Quem não queria estar com a sua mãe por perto

Quem não quer a benção que se renove

Chorar e rir no colo de amor único e certo

 

Quem consegue amar incontinente

Cuidar desde o primeiro dia de vida

Antes mesmo na barriga quente

Que pari feliz até na dor sofrida

 

Quem cuida até o último dia de um ser

Quem sofre quando um filho perde ou se vai

Que adota outros quantos pode ter

Que chora por amor, dor, alegria, sofrer e nunca cai

 

Mãe é pilar, é altar, é igreja

De joelhos devemos lhes prestar homenagem

Que Mãe Maria nos ouça, Vossa benção que assim seja

Dia das Mães é todo dia nesta sagrada romagem

Quinto Zili