Alternativas, 147

Alternativas

Claras luzes de uma manhã

Buscam brechas para o seu surgir

Espelhos d’água a refletir

Trazem a abertura de um novo amanhã

 

Caixa prego ou por aqui

Fontes novas precisamos ter

Hoje faltam noutro ser

Noutro dia faltam a ti

 

Se me farto de alegria

Outro alguém pode sofrer

Compaixão devo aprender

Cuidar de alguém a todo dia

 

Busquemos outras novas vias

Achemos novos caminhos

Como a luz acha os ninhos

Criemos mais alternativas

 

Pode ser com alegria ou dor

Desde que se ache a solução

Só não pode ser em vão

Porque há de ser só pelo amor

Quinto Zili

 

 

 

 

 

 

Caminho, 130

Caminho

Andar, correr, percorrer. A estrada nos leva sempre a algum lugar, mesmo que seja por exercício e numa pista circular. A distância vencida não importa, curta ou longa, no tempo que for, te leva a descobrir que parecia que não sabia de nada, até o exato momento que deu início a tal lançada.

O movimento cria em você outra disposição e nova forma e faz de você outro ser. Transformou o tempo em movimento e isso não ia acontecer até que naquele instante foi tomada a decisão. Seu corpo se renovou e sua mente se esvaziou para um reabastecer, como um renascer.

Células e hormônios foram requisitados e muitos estavam esquecidos.

E se veio a dor é porque você não esqueceu de ninguém dentro de seu corpo. E ele retribuiu com nova companhia que agora você aprenderá a cuidar. O músculo exigido e que estava parado, foi lembrado e você agradece a ele agora pois renasceu e você também.

Quinto Zili

Pedras, 84

Pedras

Se os seixos não rolassem os rios teriam que alterar seus cursos. Então se nem as pedras ficam paradas porque nós ficaremos. E se as pedras evoluem no sentido do seu movimento não seremos nós os contrários.

Pequenas ou grandes e mesmos os ciscos, a natureza os formou e todos vieram do puro caos e das altas temperaturas. E suas posições dependem do tamanho dessas hecatombes para só depois de um longo refrigério se fixarem como as vemos hoje.

Dezenas, centenas, milhares, milhões e bilhões de anos.

Transformações longas e traumáticas fizeram da nossa Terra o grande astro bilenar em que vivemos neste universo divino. E temos pressa com as pedras. Temos pressa de mudar o mundo a nossa volta sem entender nada sobre o lento movimento das pedras. Sim, aquele seixo do rio que hoje está ali mas amanhã não mais e quando menos esperamos se o calhau não se moveu um rio mudou de curso ou uma barragem se formou.

Deus de nosso universo, perdoa nossa presunção e pretensão de tentar imitá-Lo sem que ainda nem saibamos entender as pedras. E até as chutamos.

Quinto Zili

Ondas do amor, 82

Ondas do amor

Como podemos pedir para alguém nos livrar dos nossos pecados se somos nós que os cometemos por livre e espontânea vontade.

A mansidão de quem perdoa não liberta o outro, pecador. Ameniza a paga sim porque sem o perdão da vítima ainda seria pior ao pecador. Lidar com o principal interessado em possível desforra que viraria obsessão da boa.

Gravosas relações do dia a dia hoje quase sempre são sequelas do passado. Ausência do perdão de lado a lado ontem mantendo tensões e contatos difíceis hoje.

Quando um ser perdoa outro abre-se uma reversão de corrente negativa no cosmo como dominós a derrubar outros numa sequência positiva até ser barrado de novo por um coração duro não disposto a entender o benefício da corrente do bem. Mas ainda assim haverá outros perdões a disparar essas mesmas ondas do amor.

Quinto Zili