Mãos

Que dão equilíbrio

Dirigem os braços

Tateiam um livro

Nos abraços, os laços

 

Mexem em tudo

Fuçam, cutucam, espalham

Deslizam sobre tudo

Mãos soberanas que falham

 

Cumprimentam ou desprezam

Quando frias incomodam

Quentes inflamam

Juntas punem ou aprovam

 

Os aleijados podem não tê-las

Ou só não é possível vê-las

Deus nos cria espíritos perfectíveis

Nossos corpos, veredas susceptíveis

 

Mãos fazem e desfazem

Constroem

Destroem

No bem ou no mal se comprazem

 

Mãos refletem a alma

Fazem o que são comandadas

As de Jesus só expressavam calma

As nossas ainda precisam ser educadas

Quinto Zili

1084

Mãos

Os gestos e as práticas

Duros, delicadas

Gentis, ásperas

Carinhosas ou revoltadas

 

Sempre às duplas na urdidura

Mais de um caminho se depura

Uma segura, a outra a seguir

Concordam até no divergir

 

Quando no mesmo foco atuam

Trabalhando juntas suam

Daí saem obras maravilhosas

Artes, segredos, coisas gostosas

 

Mãos que trazem o nascer

Que levam ao morrer

Siamesas de um  mesmo tronco

Semeiam ou matam como gênio ou bronco

 

Curam e transformam

Mas se sujeitam à mente

Daí que o bem ou o mal operam

De quem  age são ou doente

 

Nossas são as mãos de Deus que obram

Tentáculos do Pai que menos nos cobram

Fazem acontecer e com elas o bem se usufruir

Delas, em verdade, só não podemos fugir

Quinto Zili

696